Na cidade

Este foi o julho mais quente em Portugal nos últimos 92 anos

A precipitação representou apenas 22 por cento do valor considerado normal pelo IPMA. Foi o quarto mês mais seco desde 2000.
Mais de metade do País está em seca severa.

O passado mês de julho foi o mais quente dos últimos 92 anos em Portugal, afirma o Instituto Português do Mar e da Atmosfera (IPMA). As temperaturas estiveram quase sempre acima do normal e os 47 graus registados em Pinhão marcaram um novo extremo para o mês no continente. Também foi “extremamente quente em relação à temperatura do ar e muito seco em relação à precipitação”, explicam os especialistas do IPMA.

O valor médio da temperatura máxima do ar, 33,16 graus, foi o segundo mais elevado desde 1931. À frente apenas ficou o mês de julho de 2020. O IPMA salienta que “os quatro maiores valores da média da temperatura máxima em julho ocorreram depois de 2000”, em 2010, 2016, 2020 e 2022.

Já o valor médio da temperatura mínima foi de 17,13 graus, dois graus acima do normal e o quarto mais alto desde 1931. No geral, o valor médio da temperatura do ar foi de 25,14 graus, o que representa 2,97 graus acima do valor que seria normal, refere o Instituto.

Os períodos mais quentes ocorreram entre os dias 7 e 17, 20 e 26 e 29 e 31. O IPMA destaca o período entre 7 e 17, onde, a 14 de julho, se registou a temperatura mais elevada no País, precisamente em Pinhão.

No que diz respeito à precipitação, foi o quarto mês mais seco desde 2000. O total de precipitação neste mês, três milímetros, corresponde apenas a 22 por cento do valor normal.

Os números não são, de todo, positivos. O IPMA conclui o boletim climatológico afirmando que, a 31 de julho, 55 por cento de Portugal estava em seca severa, enquanto que 45 por cento estava mesmo em seca extrema.

ÚLTIMOS ARTIGOS DA NiT

AGENDA NiT