Na cidade

Estes são os objetos mais esquecidos pelos portugueses nas viagens de Uber

Não são só telemóveis ou carteiras. O relatório anual de perdidos e achados da plataforma revela que existem itens bastante peculiares.
Lei vai ser revista.

O relatório anual de perdidos e achados da plataforma Uber, a que a NiT teve acesso, mostra a lista dos objetos mais esquecidos dentro dos carros em Portugal ao longo do último ano. Alguns deles são surpreendentes e peculiares. 

Os telemóveis ocupam o primeiro lugar desta lista. Já foram esquecidos no banco de trás 2814 vezes. As carteiras (1776), os óculos (1648) e as chaves (1480) ocupam os outros três lugares do ranking. No relatório, a Uber aponta ainda os sacos com presentes, cartões multibanco e passaportes.

Porém, além destes objetos mais comuns, a plataforma registou itens menos óbvios. É o caso das almofadas ortopédicas, comida para cão e anéis de noivado — ainda que, neste caso, não se saiba se estes últimos foram esquecidos de propósito ou não. 

Os dados dizem respeito a uma análise feita em todo o País, que mostra que Lisboa é a cidade onde ocorrem mais vezes estes incidentes. Os clientes também têm tendência para perder mais coisas durante as viagens realizadas no Porto e no Algarve.

Segundo o mesmo documento, os dias da semana mais propensos à perda de objetos são as sextas-feiras e sábados, sendo o meio-dia, as 15 horas e as 18 horas, os momentos do dia em que os passageiros andam mais distraídos. 

Felizmente, todos os objetos que ficam nos carros da empresa podem ser recuperados facilmente. Basta abrir a aplicação para entrar em contacto com o motorista que levou o seu objeto para outro destino. 

ÚLTIMOS ARTIGOS DA NiT

AGENDA NiT