Na cidade

Há uma nova mobilização pelo clima convocada para março

Estudantes apelam à participação nas ações online e presenciais que estão marcadas para todo o País.
Jovens saem à rua

A Greve Climática Estudantil convocou nova Mobilização pelo Clima para 19 de março, uma sexta-feira. Esta ação está inserida no movimento internacional Fridays For Future, que pretende consciencializar para as questões climáticas.

“Face a todas as promessas vazias, de líderes e instituições, precisamos de um plano real, construído pelo movimento por justiça climática, por todas as pessoas, para todas as pessoas”, justificam os estudantes em comunicado.

No mesmo documento, a Greve Climática Estudantil explica que este é o ano para “começar e recuperar”, explicando que este é o momento para agir, depois de um ano marcado pela crise pandémica.

Um dos pontos que os estudantes querem ver resolvido é que a sociedade tenha em conta “tanto os e as empregadas nos setores poluentes, como as pessoas que foram mais abaladas pela crise pandémica”. O objetivo principal será que a vida seja posta no centro de todas as decisões, dizem.

“Reivindicamos a criação de milhares de empregos para o clima nos setores-chave que reduzam as emissões e o encerramento das infraestruturas mais poluentes, garantindo a proteção e requalificação dos trabalhos. A solução da crise climática também exige a criação de um plano habitacional; a criação de um plano nacional florestal e agrícola, fundamentado na agroecologia e na permacultura; o incentivo a projetos benéficos às zonas rurais e que proceda à adequação das áreas florestais às condições climáticas atuais e futuras; a integração do estudo das alterações climáticas e da ecologia nos currículos escolares, entre outras”, aponta ainda o comunicado.

O motivo para a escolha de 19 de março para agendar os protestos não é aleatório: “Não nos podemos dar ao luxo de esperar mais, quando no dia 19 de março de 2021 teremos seis anos e 287 dias até que seja impossível ultrapassar os 1.5ºC de aquecimento em relação a níveis pré-industriais”.

Até agora, são 18 as localidade que confirmaram a participação nestas manifestações — Alcácer do Sal, Algarve, Aveiro, Bragança, Caldas da Rainha, Coimbra, Entroncamento, Évora, Guimarães, Lamego, Lisboa, Mafra, Montijo, Odemira, Pico, Porto, Setúbal e Viseu.

Em todas as localidades haverá protestos online, mas algumas terão ainda encontros presenciais marcados. Em Lisboa será às 16h30 na Praça José Fontana e às 17h30 no Martim Moniz, em Mafra será às 17 horas no Palácio de Mafra, em Aveiro será no Parque do Rossio e no Parque da Fonte Nova às 17 horas, e no Algarve está marcado para as 16h30 no Mercado Municipal de Faro.

“Convocamos todos e todas para exigir respostas reais ao grande desafio dos nossos tempos, tomando as devidas medidas de higiene que assegurem a segurança de todos os participantes, no caso de ações presenciais”, frisa ainda a Greve Climática Estudantil.

ÚLTIMOS ARTIGOS DA NiT

AGENDA NiT