Na cidade

Inteligentes, sustentáveis e sem trânsito — é assim que vão ser as cidades do futuro

Prevê-se que, em 2050, as cidades acolham 70% da população mundial. O 5G vai ser o principal pilar das smart cities, que estão mais próximas do que imagina.
Menos trânsito e mais tecnologia nos hospitais.

Utilizar a tecnologia para melhorar as infraestruturas das cidades e tornar os centros urbanos mais eficientes, inteligentes e sustentáveis para todos os que por lá vivem ou passam. Este é o principal objetivo da criação das smart cities, ou cidades inteligentes, um conceito que já está a ser utilizado em vários países e que se prevê que, em 2050, seja a realidade em todo o mundo.

Imagine este cenário: tem uma reunião às 9 horas no escritório, que fica a 8 quilómetros de casa. Ainda tem tempo para falar com os filhos, que vão começar as aulas remotas, desta vez com um professor de inglês e com recurso à realidade aumentada. O seu smartwatch informa-o da duração da viagem até ao trabalho no seu carro inteligente e ainda lhe diz que existe um lugar de estacionamento a apenas 100 metros do escritório.

Sobra tempo para um café e para uma conversa rápida com a vizinha, cujo filho foi operado à distância com um especialista norte-americano e o recurso à robótica. O dia de trabalho termina, é tempo de ir correr. Há sensores que lhe dão a qualidade do ar e da água no percurso habitual da corrida. No fim do dia, vêem-se as luzes da rua a diminuírem de intensidade, já que são poucos os que circulam àquela hora. Automaticamente, reduz-se a iluminação pública naquela zona para poupar eletricidade.

Provavelmente, esta é a descrição de um dia normal na vida de muitos de nós quando as cidades em que vivemos se tornarem cidades inteligentes. Não acredita? Hoje, mais de metade da população mundial vive em grandes centros urbanos e a tendência, segundo as Nações Unidas, é que aumente. Prevê-se que, em 2050, acolham 70% da população.

Isto significa que estas cidades terão mesmo de se reinventar e ser mais inteligentes e sustentáveis, com a ajuda da tecnologia e, sobretudo, do 5G, o pilar de toda esta transformação tecnológica que vai permitir conectar todos os dispositivos através de uma rede mais segura, fiável, rápida e robusta.

Como vão ser as cidades inteligentes?

Projetadas como auto-suficientes e, acima de tudo, inteligentes e seguras, estas cidades terão tudo planeado ao detalhe, não descurando a qualidade de vida e o conforto de quem lá vive ou trabalha. Falamos de novas soluções de mobilidade, mais sustentáveis, com mais veículos elétricos, autónomos e conectados entre si, possibilidade de pooling&sharing e redirecionamento do trânsito em tempo real.

Sabemos que parece impossível, mas vamos poder acabar com o trânsito de uma vez por todas, graças à informação instantânea e fiel à realidade. Haverá também uma verdadeira eficiência na utilização dos recursos nestas cidades inteligentes. Leia com atenção: os sensores de rega vão conhecer perfeitamente o estado o solo e do tempo, a iluminação urbana será totalmente inteligente e as rotas de recolha de resíduos serão otimizadas com base em dados em tempo real para diminuir drasticamente a poluição.

Os serviços também vão ser mais inteligentes e rápidos. Falamos, por exemplo, da educação imersiva nas escolas – as aulas serão remotas e os professores estarão espalhados por todo o mundo, com recurso à realidade aumentada, permitindo uma aprendizagem disruptiva e inovadora.

Mas também teremos a tecnologia necessária nos hospitais, onde será possível realizar operações remotas com robôs, aceder a diagnósticos e resultados de exames em tempo real, ou diminuir as listas de espera – tudo através dos nossos wearables. Não menos importante é a segurança que teremos ao viver em cidades inteligentes, com sistemas de vigilância alargada e ajuda ultra rápida em situações de emergência. Diga lá que não é maravilhoso.

O que falta para Portugal só ter cidades inteligentes? O 5G, claro

Só com a chegada do 5G a Portugal – com a rapidez de fluxo de dados, a latência reduzida e a facilidade de uma conexão inteligente e fiável –, é que estas cidades inteligentes, sustentáveis e tecnológicas se vão tornar realidade, pelo menos a 100%.

O 5G vai tornar possível que as ordens em qualquer dispositivo sejam imediatas e as ações instantâneas, para uma experiência em tempo real, sem desvios nem atrasos. Vamos poder também ter acesso a aplicações de inteligência artificial e realidade aumentada com a chegada do 5G, colocando o País no mapa da inteligência urbana pelo mundo.

Na verdade, só assim é que Portugal poderá seguir o exemplo de outras cidades inteligentes europeias, como Copenhaga ou Estocolmo, que “operam como laboratórios vivos, palcos de desenvolvimento e experimentação de soluções urbanas em contexto real, numa lógica de inovação aberta e co-criação com o envolvimento dos cidadãos”. Esta é precisamente a descrição de cidade inteligente para o CEiiA, Centro de Engenharia e Desenvolvimento, sediado em Matosinhos.

Felizmente, em Portugal já há cidades altamente inteligentes, que aliam a sua história aos recursos sustentáveis. Lisboa é, para já, a cidade mais smart do País, de acordo com o Smart City Index de 2020, uma ferramenta de análise da inteligência urbana do CEiiA. Mas já foram distinguidas anteriormente cidades como Águeda, Porto e Cascais, palcos de testes e experimentação de soluções inovadoras em contexto real.

A contribuir para o desenvolvimento destas cidades do futuro está a NOS, que atua em parceria com as autarquias para melhorar a vida nas cidades. Em Águeda, por exemplo, foi implementada uma solução de rega inteligente, enquanto o Seixal tem novas soluções inteligentes de gestão de resíduos. Além destas, existem ainda seis autarquias nacionais com plataformas inteligentes de integração de dados.

O que importa é que, com a chegada do 5G a Portugal, todas estas cidades deixarão de ser projetos-piloto e passarão a ser os verdadeiros palcos que vão mudar a nossa vida e tornar mais inteligente, sustentável e tecnológico o sítio onde vivemos. Está preparado? Nós estamos.

Este artigo foi escrito em parceria com a NOS.
Advertisement

ÚLTIMOS ARTIGOS DA NiT

Novos talentos

AGENDA NiT