Na cidade

Linha circular do Metro que vai ligar o Rato ao Cais do Sodré vai mesmo avançar

A rede atual do Metro de Lisboa vai ser alargada com duas novas estações, a da Estrela e a de Santos.
Obras vão arrancar

Vai ser assinado pelo Governo esta quarta-feira, 14 de abril, o auto de consignação para que as obras do Metro de Lisboa possam avançar de imediato. A nova linha circular, que ligará a Estação do Rato ao Cais do Sodré, deverá ficar pronta em meados de 2024.

Esta obra será importante para aumentar a capacidade de transporte no centro da cidade, “com comboios a passarem a cada três minutos e meio, servindo um dos principais nós de entrada na cidade, o Cais do Sodré”, como explicou o ministro do Ambiente e da Ação Climática, Matos Fernandes, citado pela “TSF”. Isto servirá também para fazer a ligação com a Linha de Cascais e com os barcos que fazem os transportes desde a Margem Sul, construindo duas novas estações: Estrela e Santos.

O objetivo deste projeto passa por ligar o Rato ao Cais do Sodré, conseguindo uma linha circular a partir do Campo Grande com as linhas verde e amarela, passando as restantes linhas a funcionar como radiais — linha Amarela de Odivelas a Telheiras, linha Azul (Reboleira – Santa Apolónia) e linha Vermelha (S. Sebastião – Aeroporto).

A obra, que terá um comprimento de cerca de dois quilómetros e um custo de perto de 210 milhões euros, não deverá afetar o normal funcionamento do metro.

“Agora, os próximos fundos comunitários são desenhados por nós e só no PRR há aproximadamente 550 milhões de euros para que a linha vermelha possa prolongar-se para poente pelas Amoreiras, Campo de Ourique, Infante Santo, Alcântara e o sistema de metro ligeiro que irá de Odivelas até santo António dos Cavaleiros, servindo o concelho de Loures”, disse ainda o ministro, citado pela “Rádio Renascença”.

A nova linha circular do metro tem sido alvo de alguma polémica desde que foi anunciada, com vários cidadãos e até entidades a defenderam alternativas: como a junta de freguesia de Carnide, que ainda na passada semana apoiou uma nova petição contra esta obra.

ÚLTIMOS ARTIGOS DA NiT

AGENDA NiT