Na cidade

Lisboa está a tornar-se a nova Califórnia: “Já poupei tanto dinheiro que devia ser crime”

Os californianos residentes em Portugal elogiam o custo de vida baixo, a localização geográfica e o acesso aos serviços públicos.
Os estrangeiros americanos em Portugal continuam a crescer.

O número de estrangeiros residentes em Portugal tem crescido exponencialmente ao longo dos anos, sobretudo vindos dos Estados Unidos da América. Apesar do estilo de vida americano ainda ser um sonho para muita gente, é em solo nacional que vários norte-americanos consideram ter encontrado um paraíso. Um correspondente do “Los Angeles Times” entrevistou residentes em Lisboa, vindos da Califórnia, que não escondem o seu apreço pela capital.

As declarações foram publicadas na conta do jornal no Twitter, onde Jenn Wittman, Jamie Dixon e Therese Mascardo partilham as suas vivências. “Já poupei tanto dinheiro desde que vivo cá que devia ser um crime”, pode ouvir-se no vídeo, dito pelo terceiro elemento. O custo de vida é um dos principais motivos para a deslocação, já que os preços de diversos bens e serviços são muito reduzidos comparativamente aos praticados nos Estados Unidos.

A norte-americana acrescenta que muito está satisfeita com a possibilidade de pagar mil euros de renda mensal, e entre 10 a 20€ por refeição. Em Los Angeles, na Califórnia, pagava cerca de 2 mil e 500 euros mensais pelo apartamento.

No entanto, a lista de motivos não fica por aqui. No caso de Jamie Dixon, o primeiro nome mencionado no artigo da publicação californiana, a facilidade em conseguir o visto colocou Portugal no topo da sua lista. E, descreve a mudança como “um alívio”. A incerteza face aos confrontos geopolíticos que envolvem o seu país de origem fazem-na elogiar a beleza de Portugal, que considera um refúgio.

No caso de Jenn Wittman, foi em Lisboa que encontrou uma vida melhor para o crescimento do filho. O que diferencia o território nacional, neste aspeto, é a facilidade de acesso à educação e à saúde: “queríamos ficar livres de dívidas relacionadas com o ensino e um sítio onde ele pudesse ter acesso à saúde gratuitamente”, afirma, elogiando também o clima e a organização urbana da cidade.

Os número cada vez mais significativo de estrangeiros na capital tem gerado discussões sobre a cada vez mais visível gentrificação da cidade. Este fenómeno acontece quando residentes com maior poder económico se mudam para áreas urbanas tipicamente menos favorecidas. A procura por casas por parte de uma população mais afluente traduz-se na valorização imobiliária dessas zonas o que leva, paulatinamente, à saída dos anteriores residentes com menor poder económico. 

Este é dos receios de Isabel da Bandeira, ativista e cofundadora do grupo Aqui Mora Gente, que acredita que o investimento estrangeiro é importante para a economia do País, mas vê outros problemas. “Este processo também prejudicou os moradores de longa data que deixaram de se reconhecer como parte das suas comunidades ou que já não podem morar nelas”, diz, citada pelo jornal norte-americano.

A expectativa, contudo, é que a localização privilegiada, os preços acessíveis e o sentido de vizinhança na capital continuem atrair mais californianos. Na última década, segundo o “Los Angeles Times”, a população estrangeira em Portugal cresceu 40 por cento, apesar do declínio populacional que se regista no País.

ÚLTIMOS ARTIGOS DA NiT

AGENDA NiT