Na cidade

Março foi o mês mais quente alguma vez registado — e o cenário vai piorar

O terceiro mês deste ano bateu o recorde mensal de calor pela décima vez consecutiva, alertam os especialistas do Copernicus.
As alterações climáticas estão a agravar-se.

A temperatura média do mês passado foi a mais elevada alguma vez registada, adianta o Serviço Copernicus para as Alterações Climáticas (C3S), da União Europeia. Março de 2024 bateu o recorde mensal de calor pela décima vez consecutiva desde que começou a recolha regular de dados, segundo o relatório divulgado esta terça-feira, 9 de abril pelo programa europeu.

Atingiu os 14,14 graus, 0,73 acima da média de março entre 1991 e 2020 e quase dois graus (1,58) à média pré-industrial, entre 1850 e 1900.

“Março de 2024 continua a sequência de quebras de recordes climáticos, tanto para a temperatura do ar como para a temperatura da superfície do oceano”, detalhou Samantha Burgess, diretora-adjunta do Serviço Climático Copernicus (C3S), aqui citada pela Euronews.

As temperaturas dos oceanos também atingiram “um nível invulgarmente elevado no mês passado e, para travar o aquecimento, são necessárias reduções rápidas das emissões de gases com efeito de estufa”, acrescentou a responsável do Copernicus.

Apesar do enfraquecimento do fenómeno El Niño, no Oceano Pacífico equatorial oriental, o calor à superfície manteve-se em máximos históricos — fenómeno para o qual a comunidade científica já havia alertado no verão de 2023.

“O que estamos a viver é anómalo e acima da tendência esperada. Antecipamos que 2024 seja um ano ainda mais quente”, afirmou Gavin Schmidt, diretor do Instituto Goddard para Estudos Espaciais, da NASA, em agosto de 2023.

Segundo a estimativa apresentada na altura pela agência espacial norte-americana, os maiores impactos seriam sentidos em fevereiro, março e abril deste ano. “A mãe natureza está a enviar-nos uma mensagem: é melhor agirmos agora, antes que seja tarde demais, para salvar o clima e o planeta”, acrescentou o administrador da NASA, Bill Nelson.

Em janeiro de 2024, o Copernicus já havia anunciado que a temperatura média global nos 12 meses anteriores (de fevereiro de 2023 a janeiro de 2024) havia sido a mais elevada de sempre, 0,65 graus acima da registada entre 1991 a 2020.

Vale a pena recordar que, no primeiro mês deste ano, Portugal foi assolado por onda de calor no norte e centro, classificada pelo Instituto Português do Mar e da Atmosfera (IPMA) como “a mais significativa, observada no mês de janeiro desde 1941”.

 

 

ÚLTIMOS ARTIGOS DA NiT

AGENDA NiT