Na cidade

Não desespere: temperaturas de verão chegam (para ficar) na segunda quinzena de julho

Já pode prepare as férias descansado. O mês de agosto será mais quente e o calor vai durar até setembro.
Prepare-se.

O mês de junho deste ano foi considerado o mais quente dos últimos anos, com temperaturas um grau e meio acima da média. Os registos não enganam, mas os números não parecem bater com a realidade — julho chegou há uma semana e a chuva e frio parecem ter vindo para ficar. A contradição é simples de explicar — as estações quentes de anos passados é que foram mais quentes do que o normal. 

“Tivemos dois verões anteriores, o de 2022 e de 2023, que foram muito quentes, fora do habitual. De qualquer as formas, os modelos aos quais nós temos acesso, dão-nos a indicação de que, de facto, poderemos ter a ocorrência de alguma precipitação ao longo de todo o verão”, explica Hélder Lopes da Meteored.

Esta segunda semana de julho arranca com alguma previsão de chuva, sobretudo a norte e no centro do País e temperaturas consideradas abaixo do normal. O cenário irá mudar, a partir desta quarta-feira, 10 de julho, com uma subida de temperaturas — podem atingir os 30 graus. Nas ilhas, o arquipélago dos Açores espera 25 graus, sendo que na Madeira há uma oscilação entre os 17 e os 27 graus.

As previsões realizadas com modelos baseados nos dados europeus do sistema Copérnico indicam também que a informação respetiva ao verão tem de ser analisada com alguma cautela. Ainda assim são esperados valores acima do normal em Portugal Continental, tal como na maioria da Europa. 

“Se tivermos em conta aqueles que foram os verões mais quentes no País, podemos dizer que estas probabilidades se enquadram em 60 a 70 por cento”, prevê Hélder Lopes, da Meteored. 

Contudo, as indicações abrangem períodos de chuva. “Os modelos aos quais temos acesso, dão-nos a indicação que, de facto, poderemos ter a ocorrência de alguma precipitação e trovoada ao longo de todo o verão”, acrescenta. As trovoadas juntam-se às previsões, em especial no mês de agosto.

Ainda assim, o pico de calor está previsto para essa mesma altura, com uma tendência para a “extensão do período quente até o mês de setembro“, explica o meteorologista.  No que diz respeito à humidade, esperam-se valores menores, ficando o clima mais seco. 

ÚLTIMOS ARTIGOS DA NiT

AGENDA NiT