Na cidade

Os preços das casas em Portugal registaram o maior aumento em 30 anos

Desde 1991 que os valores por metro quadrado não subiam tanto. Trata-se de uma escalada histórica.
É um aumento histórico.

O cenário está cada vez mais negro para quem tencionar comprar uma casa em Portugal. Só em 2022, os preços subiram 18,7 por cento, o que significa o maior aumento em 30 anos, segundo o Índice de Preços Residenciais da Confidencial Imobiliário, divulgado esta terça-feira, 24 de janeiro.

Desde 1991 — ano em que os valores por metro quadrado subiram 18,8 por cento —, que não se assistia a uma ascensão tão significativa. A escalada dos preços começou a ser sentida em 2017, quando os valores registados em 2016 duplicaram. Nos anos anteriores à Covid-19, em 2018 e 2019, registou-se uma subida de 15,4 e 15,8 por cento, respetivamente. Contudo, esse ciclo acabou por ser interrompido no ano seguinte.

Durante a pandemia, “os preços de venda da habitação terminaram o ano com um crescimento mais moderado, de 4,8 por cento”, revela o relatório da Confidencial Imobiliário. Em 2021, registou-se um crescimento de 12,2 por cento, uma progressão ascendente que teve continuidade em 2022 — mas nem tudo são más notícias.

Apesar de se ter assistido a uma aceleração dos preços na primeira metade do ano passado, com sucessivas subidas mensais médias de quase dois por cento, de julho de 2022 em diante registou-se um “arrefecimento das variações mensais” — e foram, por duas vezes, inferiores a um por cento. Em Setembro de 2022 a variação mensal registada foi negativa.

Para 2023, os especialistas acreditam que poderá existir uma redução da variação ascendente dos valores, mas não se espera uma queda das preços das casas.

 

ÚLTIMOS ARTIGOS DA NiT

AGENDA NiT