Na cidade

Portugal foi eleito o quinto melhor país europeu para fazer trabalho remoto

Os especialistas avaliaram fatores como o custo de vida ou a velocidade da Internet. A Noruega lidera o ranking.
Uma boa notícia para os nómadas digitais.

Há cerca de três anos, o mundo mudou completamente por causa da pandemia. Com os escritórios vazios, surgiram novos hábitos, novas regras e novas formas de trabalhar. Entre elas, o teletrabalho tornou-se uma necessidade para muitas empresas e até levou muitas pessoas — os nómadas digitais — a decidir trabalhar além-fronteiras.

Portugal é um dos destinos no topo dessa lista: ocupa a quinta posição no ranking dos melhores países europeus para quem trabalha remotamente, divulgada pelo site “Moving to Spain”, no dia 14 de junho. Entre os fatores em conta, os especialistas da plataforma analisaram o custo de vida, a velocidade da internet, a dimensão da população trabalhadora remota e o processo dos vistos oferecidos aos nómadas digitais. E o território nacional cumpre com todos os critérios.

A lista é liderada pela Noruega, considerado um dos países mais felizes do mundo. O pódio inclui ainda a Alemanha e a Hungria, seguidas por Espanha. Depois de Portugal, a meio da tabela, o ranking termina com a Roménia, a Estónia, a Dinamarca, a Finlândia e a Letónia.

Para todos os que escolherem Lisboa para trabalhar, recorde-se que foi lançado um visto, em outubro, que permite a cidadãos de fora da União Europeia e do Espaço Económico Europeu viverem e trabalharem para fora a partir do País durante um ano. Para conseguirem a autorização de residência, os trabalhadores independentes terão de entregar documentos “que atestem a residência fiscal”, bem como provas de que os rendimentos médios mensais nos últimos três meses foram superiores a quatro ordenados mínimos portugueses: ou seja, um ordenado de cerca de 2.820€.

Desde 2019 que vários países europeus têm criado vistos especiais para trabalhadores remotos. A Estónia foi a primeira a aderir à tendência e a Noruega, Geórgia, Malta e Países Baixos são alguns dos estados que já os disponibilizam.

ÚLTIMOS ARTIGOS DA NiT

AGENDA NiT