Na cidade

As praias, trilhos e doces que fazem da zona Oeste o sítio certo para desconfinar

Museus, vinhos, grandes ondas para surfar, comida divinal e praias incríveis. É assim que conseguimos descrever esta região em poucas palavras.
Foto Instagram Centro de Portugal (@emeciii).

Há quem diga que é um mundo ainda por descobrir e está mesmo às portas de Lisboa. O Oeste é a terra da vinha e do vinho, dos museus e monumentos históricos, das maiores ondas para surfar na costa portuguesa. Como se isto já não fosse suficiente, é também a região onde encontra vários restaurantes com comida típica deliciosa e onde pode passear durante horas entre as paisagens de praia mas também de campo.

Composto pelos concelhos de Alcobaça, Alenquer, Arruda dos Vinhos, Bombarral, Cadaval, Caldas da Rainha, Lourinhã, Nazaré, Óbidos, Peniche, Sobral do Monte Agraço e Torres Vedras, o Oeste promete surpreender toda a gente com as paisagens históricas e naturais únicas, que tem mesmo de conhecer nos próximos tempos.

Graças à sua localização costeira, quando falamos em Oeste lembramo-nos imediatamente das praias enormes e das ondas únicas que chamam todos os anos milhares de desportistas nacionais e internacionais. A Nazaré, por exemplo, é a vila mais pitoresca de Portugal e onde se surfou a maior onda do mundo. Por lá, no alto do Sítio, tem mesmo de visitar o Santuário de Nossa Senhora da Nazaré. É daqui que consegue ter uma vista incrível de toda a praia da Nazaré. Vale a pena ainda ir até à praia do Norte e conhecer o famoso Canhão da Nazaré.

Para sul, encontra a Baía de São Martinho do Porto, que é considerada a “Concha do Oeste”. Esta zona super calma e turística é perfeita para um belo passeio em família na marginal e, claro, para os miúdos poderem dar mergulhos nas águas super calmas da baía. 

A capital da onda é ali bem pertinho – em Peniche. Pela costa desta zona pode conhecer pelo menos oito praias perfeitas para o surf, além das espetaculares praias do Baleal, claro. Pode também reservar um dia das suas férias para se aventurar nas Berlengas. A natureza selvagem, a fauna própria, as praias, as grutas e a paisagem são pontos que a tornam, para muitos, um pequeno paraíso perdido bem no Centro de Portugal.

Muitas praias se estendem pela costa até Santa Cruz, no concelho de Torres Vedras, onde é possível praticar inúmeros desportos de água. Mas o Oeste é muito mais do que praias. É também cultura e tradição, património, arte e desporto ao ar livre. 

A Lourinhã, por exemplo, é conhecida por ser a capital dos dinossauros. O Dino Parque, com mais de uma centena de exemplares à escala real, é um dos maiores museus de paleontologia da Europa, onde encontra espaço ao ar livre, perfeito para programas em família e ideal para estar em contacto com a natureza. Tem ainda a possibilidade de conhecer alguns dos dinossauros mais famosos do mundo.

Com mais de 10 hectares de espaço aberto, o parque de dinossauros da Lourinhã é a maior exposição ao ar livre desta temática no continente, sendo composto por cinco diferentes percursos que permitem observar mais de 180 modelos de espécies de dinossauros à escala real, bem como animais que reinaram os oceanos há 450 milhões de anos.

Ali bem perto, no Bacalhôa Buddha Eden, pode passear pela paisagem rural que caracteriza tão bem o concelho do Bombarral, num espaço com cerca de 35 hectares onde foi criado um dos maiores jardins orientais. Certamente o conhece pelas esculturas gigantes de figuras de Buda que invadem constantemente o Instagram. Mas a mais recente novidade transporta-nos para outro continente – o mais recente jardim africano tem um lago rodeado de palmeiras, com carpas koi, seguido de um jardim coberto de bamboo e estátuas étnicas.

No Cadaval é onde se produz e exporta a maior quantidade de pêra rocha. E já que está por lá, visite a Serra de Montejunto, integrada na Rede Natura 2000, uma área de paisagem protegida e com imensos trilhos para caminhar.

Mesmo no coração do Oeste fica a vila de Óbidos, que mais parece saída de um filme medieval. Perca-se pelas ruas estreitas, visite o famoso castelo e conheça os vestígios mais incríveis de outras épocas. Designada Cidade Criativa da Literatura pela UNESCO, Óbidos torna-se um destino de referência ao explorar as infinitas ligações que a literatura permite.

Ali ao lado, Caldas da Rainha é um importante centro termal, graças ao antigo Hospital e ao Museu do Hospital e das Caldas. Inserido no magnífico Parque D. Carlos I, no centro da cidade, pode descobrir um jardim romântico com um lago artificial e alamedas cheias de árvores altas e bonitas. Considerado um dos parques mais ricos em biodiversidade do País, lá dentro encontra também um dos espaços museológicos da cidade – o Museu José Malhoa, que junta uma importante coleção de obras do pintor.

Faça um desvio até Alcobaça e visite o Mosteiro de Santa Maria de Alcobaça. É aqui que se celebra o amor de D. Pedro e D. Inês de Castro, cujos túmulos podem ser visitados na Igreja do Mosteiro. Assim que sair de lá, experimente um dos doces conventuais mais famosos daquela zona. Não se vai arrepender.

Distinguida como “Cidade Europeia do Vinho” desde 2018, Torres Vedras é também o sítio certo para fazer uma paragem e experimentar os melhores vinhos da região e comer um delicioso pastel de feijão.

A qualidade dos vinhos e das vinhas do Oeste é tanta que surgiu até uma rota enoturística que ao longo da Estrada Nacional 9 dá a conhecer quintas, adegas, restaurantes, hotéis e lojas com ligação ao vinho e suas tradições. Nesse âmbito podemos referir a Rota do vinho e os Percursos do Oeste, nomeadamente em Alenquer, que apresenta uma paisagem característica única na proximidade a Lisboa, transição entre o campo outeirado do Oeste e a planície. Nos campos da região a vinha é a marca predominante e constitui a base ancestral da sua economia.

Depois, siga ainda até Arruda dos Vinhos, onde a paisagem de contrastes é perfeita para quem gosta de passear pelos trilhos na natureza. Por lá pode percorrer os passeios pedestres e o Circuito das Linhas de Torres.

Se preferir aliar as caminhadas à história, conheça a Rota Histórica das Linhas de Torres Vedras e deixe-se envolver neste cenário que marcou um dos períodos mais marcantes do País – as Invasões Francesas. Não só Torres Vedras, mas também Sobral de Monte Agraço integra esta rota. É precisamente lá que se localiza o Centro de Interpretação das Linhas de Torres, no centro histórico da vila, onde pode aproveitar para saber mais sobre as invasões e a importância das Linhas de Torres. Razões não faltam, portanto, para conhecer o Oeste.

A seguir, carregue na galeria para conhecer alguns dos locais imperdíveis da sua próxima escapadinha à região Oeste. 

Este artigo foi escrito em parceria com o Turismo Centro de Portugal.

ÚLTIMOS ARTIGOS DA NiT

AGENDA NiT