na cidade

Professores dizem que alunos não cumprem as regras de segurança nas escolas

Um inquérito revela que os docentes consideram que os estudantes não seguem todas as regras de prevenção contra a Covid-19.
O inquérito foi conhecido esta semana.

Duas semanas depois de voltarem ao ensino presencial, os professores revelam que parte dos alunos não cumpre as regras devidas e muitos consideram-se inseguros. Estas são algumas das conclusões de um estudo feito pela Federação Nacional da Educação a docentes do 2.º e 3.º ciclos. Envolveu mais de 1.130 trabalhadores, 995 deles professores.

Os resultados do inquérito foram divulgados pela Federação Nacional da Educação esta segunda-feira, 19 de abril. A grande maioria, 72 por cento, considerou que as escolas se prepararam para se tornarem locais seguros, mas 63 por cento diz que os alunos não estão a cumprir as regras impostas. As principais falhas apontadas estão no distanciamento físico, uso de máscara fora das aulas e na higienização das mãos.

“Com base nos dados recolhidos, é possível registar como primeira conclusão o crescimento do sentimento de insegurança no trabalho com os alunos. Na consulta inicial feita aos educadores de infância e professores de 1.º ciclo, este sentimento ficava nos 26,9 por cento e agora, com os docentes do 2.º e 3.º ciclos, sobe para 37,7 por cento.”, refere a Federação Nacional da Educação no inquérito.

É possível perceber ainda que os professores considera que o estado de saúde mental melhorou nos alunos com este regresso. Vinte por cento dos inquiridos, ainda assim, revelou que o seu bem estar piorou.

“A Federação Nacional da Educação insiste na importância de se continuar um trabalho de informação que promova o cumprimento escrupuloso de todas as regras de proteção da saúde, e ainda a promoção sistemática de testes e rastreios. A proteção da saúde de todos tem de continuar a constituir uma preocupação dominante, para que se possa continuar a trabalhar nas nossas escolas, sem ter de se repetir de novo o seu encerramento”, lê-se no comunicado.

ÚLTIMOS ARTIGOS DA NiT

AGENDA NiT