Na cidade

Rui Gaiola mostra as melhores paisagens do País a quem adora fotografar (e não só)

O fotógrafo lançou a Everlong Adventures, empresa que organiza expedições fotográficas a bordo de um Land Rover Defender 110.
Tem 36 anos.

Rui Gaiola passou a infância entre rios, lagoas e cabanas na floresta da Serra da Estrela. Ainda não se tinha apaixonado pela arte da fotografia na altura, mas os olhos já registavam a beleza de uma das regiões mais bonitas do País. Nunca a esqueceu, nem mesmo quando foi estudar para Lisboa — e conhece-a como ninguém. Afinal, é “no meio da natureza” que se sente realmente em casa. 

Nascido na Covilhã, o fotógrafo de 36 anos despediu-se temporariamente da serra que fica coberta de neve no inverno quando veio para a capital estudar design gráfico. Quando começou a trabalhar na área, contudo, percebeu “que não era bem aquilo que queria”.

“Não queria passar os dias em frente ao computador, então comecei à procura de algo que me desse um maior equilíbrio entre aquilo que gostava realmente de fazer, que era estar na rua”, começa por contar à NiT. Nessa época, por volta de 2008, cruzou-se com a fotografia — e nunca mais a largou.

Aquilo que começou como uma diversão, mas acabou por se tornar a sua ocupação a tempo inteiro. A paixão pela fotografia coincidiu também com a altura em que começou a viajar pelo País. “Foram duas coisas que evoluíram lado a lado”, explica. Já era um eterno apaixonado pelas serras e montanhas do País, mas queria descobrir mais. Quanto mais remoto, melhor.

“Tinha muita curiosidade em conhecer mais mundo. Vim de um meio mais pequeno e rural e ao início, quando vim para Lisboa, comecei a adorar tudo o que era cidade, mas depois comecei a explorar mais a parte da natureza em geral”, confessa. Com uma câmara na mão, já voou para locais como Svalbard e Lofoten, na Noruega, Alasca e Islândia. São os destinos de inverno e “as zonas mais isoladas”, confessa, que mais o apaixonam.

Ainda assim, diz ser “apaixonado por Portugal”, apesar de não termos grandes montanhas nem um inverno tão rigoroso. “Uma das minhas paixões é a Serra da Estrela, não só por ser a zona onde cresci, mas porque gosto muito de zonas rurais, onde as tradições ainda se mantêm”, admite.

A vontade de viajar (e fotografar ao mesmo tempo) levou-o a fundar, em maio do ano passado, a Everlong Adventures, uma empresa de tours fotográficos para “aventureiros, caminhantes e amantes de natureza”. Era uma forma de aliar as três coisas que mais gosta: viagens, natureza e fotografia. “Era uma ideia que já tinha há algum tempo, mas a pandemia empurrou-me ainda mais para isso. A ideia é mesmo explorar zonas com potencial fotográfico, mas dentro daquilo que me identifico mais, muito virado para a natureza”, explica Rui.

São passeios bastante intimistas, com um máximo de seis participantes, como se fosse “uma visita guiada privada”. O objetivo é proporcionar experiências personalizadas e “partilhar a paixão pelo património natural de Portugal” para todos os que têm interesse em fotografia e natureza.

As tours são feitas a bordo do Puma, um Land Rover Defender 110, equipado com comodidades para viagens curtas e longas. É o carro todo-o-terreno que o vai levar a alguns dos locais mais incríveis de Portugal.

Atualmente, Rui tem disponíveis excursões fotográficas para a Serra da Estrela, serra de Sintra, costa Oeste e os Picos da Europa, entre um a seis dias. Não é preciso ter experiência nesta área. O principal requisito é mesmo “gostar da natureza”. Antes de cada atividade, Rui faz um pequeno briefing sobre as boas práticas que todos devem cumprir na natureza, desde como caminhar ou como evitar quedas, assim como que tipo de roupa ou calçado levar.

No verão, um dos destaques é o Summer Camp de três dias, com campismo, na Serra da Estrela. Já abriram as inscrições para os dias 5 a 7 e 8 a 10 de agosto, com preços a 250€.

“Não há rotas definidas, mas passamos por pontos que são icónicos e com potencial fotográfico. Conheço bem a zona então mesmo mostrar sempre sítios que as pessoas possam não conhecer, ou até mesmo aldeias para termos contacto com os pastores”, revela. Mais do que fotografar as paisagens, não irão faltar oportunidades para provar as especialidades da região.

“É como se fôssemos cinco amigos a viajar. Saímos dali a saber a vida uns dos outros, cria-se um ambiente muito interessante. A ideia é proporcionar uma experiência às pessoas, não é um simples passeio à Serra da Estrela”, sublinha. Ao longo de três dias o grupo vai explorar a serra, rios e lagos num formato intimista com acampamento, caminhadas e muita fotografia.

Além desta segunda edição do Summer Camps, o fotógrafo já disponibilizou as datas para mais uma Adventure Weekend na Serra da Estrela, no outono. O plano é fazer um passeio por todo o parque natural, desde a Covilhã, até ao ponto mais alto de Portugal continental, passando por Manteigas, Penhas de Saúde e Penhas Douradas.

Esta expedição fotográfica tem um custo de 485€ por pessoa, com guia, transporte e alojamento incluído. Cada um é responsável por levar o próprio equipamento e tanto pode ser uma câmara fotográfica como um telemóvel. Todas as informações estão disponíveis online.

Carregue na galeria para ver algumas fotografias captadas por Rui Gaiola durante as tours.

ÚLTIMOS ARTIGOS DA NiT

AGENDA NiT