Na cidade

Tudo o que precisa de saber sobre o Pavilhão de Portugal na Expo Dubai 2020

O edifício funciona como uma espécie de viagem a Portugal. No interior não vão faltar mobílias em cortiça, azulejos e calçada portuguesa.
"Portugal, Um Mundo num País" é o tema central do Pavilhão.

É um dos mais importantes eventos mundiais e prepara-se para arrancar já dia 1 de outubro. A Expo Dubai 2020 está, depois de ter sido adiada devido à pandemia, finalmente prestes a acontecer. A feira vai reunir no mesmo espaço a essência de 191 países, distribuídos por centenas de pavilhões. Aliás, pela primeira vez na história da Expo, cada país vai ter o seu próprio pavilhão. O de Portugal já se encontra pronto para a grande inauguração e até contou com uma cerimónia oficial, neste domingo, 19 de setembro, no Dubai.

“A Casa de Portugal está pronta para a próxima fase: acolher todos os visitantes de todas as partes do mundo, mostrando Portugal como um país moderno, tolerante e inovador. Queremos que os nossos visitantes conheçam e apreciem a marca Portugal e que ajudem a multiplicar este conceito de um mundo num país”, esclareceu o Secretário de Estado da Internacionalização, Eurico Brilhante Dias, num dos breves discursos que marcaram a cerimónia.

Com sede no distrito da Sustentabilidade da Expo, o Pavilhão de Portugal reúne cerca de 1,800 metros quadrados que se distribuem por dois pisos. Haverá uma zona de espetáculos, uma loja Portugal Concept Store com produtos de mais de 40 empresas portuguesas, uma cafeteria, uma área dedicada ao acolhimento de comitivas VIP, uma sala de espetáculo multimédia imersivo e ainda uma experiência personalizada com conteúdos relacionados com o tema “‘Diversidade”, “Sustentabilidade” e “Oportunidade”.

Já o último andar fica marcado pela presença do restaurante Al-Lusitano, com um terraço voltado para o Jubillee Park (onde vão acontecer os principais espetáculos da Expo) e por uma área multiusos que pode vir a ser utilizada por empresas portuguesas.

Além disso, a grande maioria dos elementos do edifício foram pensados para refletir algumas das caraterísticas mais tradicionais que marcam Portugal. Por exemplo, na escolha de materiais: a cortiça foi transformada em mobiliário e utilizada nas zonas de estar exteriores; a calçada portuguesa está presente nos espaços públicos exteriores; e, claro, não podia faltar o azulejo pintado. Mas os detalhes não se ficam por aí.

O fardamento das equipas do Pavilhão de Portugal na Expo 2020 não escapou a esta onda de inspiração naquilo que é português. Por um lado, a assinatura de tudo o que é vestuário, calçado e acessórios pertence ao designer Filipe Augusto, num projeto 100 por cento português, já que junta doze empresas nacionais: Belcinto, Calvelex, Carité, Lameirinho, Triple Marfel, Mofil, Paulo de Oliveira, Polopiqué, Riopele, Trotinete, Twintex e Vandoma.

Por outro, em declarações ao ECO, o curador da iniciativa, Miguel Flor, explicou que os uniformes têm um especial foco nas cores e padrões da azulejaria portuguesa. “A coleção é extremamente gráfica e é difícil passar despercebida sem ser demasiado exuberante. A ideia deste projeto foi criar vários padrões que acabam por dar uma identidade forte às indumentárias”, revelou o designer ao jornal digital.

Nisto tudo (e não é de estranhar) o tema central da participação portuguesa — “Portugal, Um Mundo num País” — junta a história com uma perspetiva de futuro virada para um País reinventado, multicultural e em permanente descoberta pelo exterior. É por isso que, em vários espaços do Pavilhão de Portugal se vai poder ver, de forma simbólica, elementos nitidamente nacionais.

“A Caravela como símbolo maior da nossa ligação com o Mundo e o contributo português para o estreitamento das relações globais entre os povos, a génese da Globalização, e a Praça, em calçada portuguesa, aberta a todos os visitantes, como expressão máxima do espaço de encontro e partilha entre pessoas e culturas”, revelou a equipa de comunicação responsável pela divulgação da Expo 2020 Dubai.

ÚLTIMOS ARTIGOS DA NiT

AGENDA NiT