Na cidade

A verdadeira história da “porta dos gordos” do Mosteiro de Alcobaça

A lenda espalhou-se pelas redes sociais, mas esconde uma outra origem que nada tem a ver com a forma física dos monges.
O mito dura há anos

A imagem percorre há anos as redes sociais e carrega consigo uma lenda. A curiosa e estreita porta do Mosteiro de Alcobaça deu origem a inúmeros relatos e histórias sobre um alegado tratamento implacável dos monges contra a obesidade.

Diz o mito que do lado de lá da porta estava a cozinha e que quem quisesse ir buscar a sua refeição, teria que ser capaz de a atravessar. Os estreitos 32 centímetros de largura certificavam-se de que os monges não só não poderiam ter uma volumosa barriga, como teriam que se restringir a uma dieta mais cuidada e em doses controladas, sob o risco de não conseguirem deslocar-se à cozinha. Infelizmente, tudo não passa de uma mentira.

É verdade, contudo, que do outro lado da porta existia uma cozinha, como explica à NiT um dos responsáveis pelo Mosteiro de Alcobaça. “A cozinha primitiva do mosteiro localizava-se do outro lado dessa pequena porta, mas dela só há agora vestígios arqueológicos”, esclarece. “A atual cozinha, que é extremamente apelativa e que é do século XVIII, não foi a primeira.”

A porta é também mais larga do que é revelado nas inúmeras publicações que espalham o mito da “porta pega gordos”. “Não tem apenas 30 centímetros. Tem, seguramente, pelo menos 50”, frisa.

Porque seria tão estreita? “Era aquilo a que se chama um passe plat, uma passagem para travessas com alimentos. Era através dela que os monges encaminhavam pratos e travessas da cozinha diretamente para o refeitório.”

Afinal é tudo mentira

E porque servia apenas para a passagem de utensílios de cozinha e de refeições, não havia necessidade de a construir com dimensões maiores.

Essa cozinha primitiva remonta aos tempos em que a Ordem de Cister ocupava o mosteiro, cujos monges seguiam regras rigorosas de jejum e, portanto, não necessitavam de mais motivações para se manterem na linha, além da religiosa, está claro.

Assim sendo, a que se deve o surgimento deste mito? “Depois da extinção das ordens religiosas e com a maior parte dos mosteiros a passarem para a posse do Estado, criou-se a ideia de que os monges teriam uma ‘rica vida’, que só comiam e dormiam. Começaram a surgir as figuras dos monges gordinhos, associada ao imaginário popular dos doces conventuais”, explica. Contudo, os monges cistercientes seguiam uma “dieta rigorosa” e “comiam o que produziam, essencialmente peixe, legumes, fruta e pão”.

Esta lenda é invariavelmente contada às muitas crianças que visitam o monumento, apesar dos responsáveis sublinharem sempre que “nada disso é verdade”.

ÚLTIMOS ARTIGOS DA NiT

AGENDA NiT