Turismos Rurais e Hotéis

Aldeia da Margarida: o novo paraíso escondido na natureza junto ao Rio Douro

Umas férias de descanso, isolamento, campo, rio, regresso à calma e às origens: é o que encontra neste turismo rural do norte.

Com nome de flor, quartos a lembrar frutos, totalmente integrada num manto verde e de natureza e o Rio Douro lá bem ao fundo. Situada em Cinfães do Douro, a Aldeia da Margarida é um autêntico novo paraíso do campo onde encontra a paz e a tranquilidade combinadas com conforto. O alojamento rural abriu em maio e já recebe os primeiros hóspedes, para umas férias como as que se quer, sobretudo, este ano: sossegadas, seguras e com vistas maravilhosas.

Aldeia da Margarida é o nome deste novo turismo, um projeto que convida a desacelerar, regressar às origens e recuperar energias num ambiente dentro da natureza. O espaço quer ser um “refúgio perfeito”, para famílias e casais que procuram experiências únicas e memórias. Situado entre a serra e o rio, na freguesia de Tarouquela em Cinfães do Douro, ali os visitantes podem viver e aproveitar as paisagens do Rio Paiva, Rio Douro, Serra de Montemuro e ainda visitar os Passadiços do Paiva, ali tão perto.

O alojamento é moderno e com uma decoração natural, porém com todas as comodidades e conforto. Inserido num ambiente rústico, procura respeitar e integrar a paisagem envolvente. A Aldeia da Margarida tem oito suites onde poderá ficar alojado: Laranja, Limão, Cereja, Maracujá, Castanha, Lantana, Camélia e Orquídea são os nomes dados às suites em homenagem à natureza. 

O espaço foi o projeto de sonho de Pedro Bernardes, de 45 anos, licenciado em Gestão Empresas. Pedro era empresário na área da cosmética e trabalhou cerca de 20 anos neste setor, até passar a dedicar-se exclusivamente ao turismo, no início de 2020, mesmo antes da pandemia.

A Aldeia da Margarida surgiu porque o gestor, originário do Porto, ainda que a viver em Rio Tinto (Gondomar), tem raízes familiares naquela zona do Douro, o chamado Douro Verde. Mas a ideia em si é um sonho antigo. “A ideia tem várias décadas, a área do turismo e hotelaria sempre me fascinou enquanto consumidor”, adianta à NiT.

Ao idealizar o projeto, a grande motivação de Pedro era, explica, a consciência e a vontade de querer desacelerar do ritmo stressado do quotidiano das grandes cidades. “Sobretudo do correr constante atrás de objetivos cada vez mais ambiciosos que nos levam a questionar, para onde corremos? Para quê? E que importância, e essencialmente tempo que se dá à família?”, frisa.

No fundo, nasceu da consciência da necessidade de viver e não sobreviver, de voltar às origens, de viver o aqui e o agora, apreciar a natureza, dar valor às coisas simples da vida. “Este espaço quer dar essa paz, essa tranquilidade às pessoas, nem que seja só por uns dias, mas que possa servir de descanso mas também de reflexão”, explica Pedro Bernardes.

O sonho começou a delinear-se com base em três casas em ruínas, que foram o ponto de partida para o projeto. “O meu amigo, o arquiteto Filipe Costa foi fundamental na passagem da ideia ao papel e foi à primeira que ficou definido aquilo que viria a ser a Aldeia da Margarida”, adianta o responsável.

Manter a traça rústica, com muito granito que é típico da região, com elementos nobres como a madeira, o vidro, e o ferro presente em todo o mobiliário do empreendimento que também foi desenhado pelo arquiteto, eram pontos essenciais. “Decoração minimalista, cores suaves, a pastilha verde na piscina e em todos os wc’s que reflete o verde da paisagem envolvente”, frisa.

Além de tudo isto e desta óbvia ligação à natureza e a uma vida mais lenta, há uma ligação sentimental. Os quartos têm nomes de frutos e flores, explica. Existe uma curiosidade relacionada com o nome da Suite Orquídea: “Era a flor preferida da minha mãe e que tem próxima a ela os vasos que transplantei que a minha mãe tinha em casa dela”. E mais: “Tenho ainda um prato na carta que é o Bacalhau à D. Armanda que a minha mãe também muito apreciava”. O próprio nome do espaço, Margarida, não é só nome de flor: mas também da filha do proprietário.

Segundo o gestor, o que distingue a Aldeia da Margarida dos outros espaços é mesmo o facto de combinar o turismo rural com o conceito de hotel, com uma proximidade e interação que faz as pessoas sentirem-se em casa, “e ao mesmo tempo com as comodidades e o conforto dos alojamento modernos”. Existem ainda vários espaços dentro do empreendimento, que permitem às pessoas poderem ao mesmo tempo ter momentos só para si: como o parque infantil, o parque de merendas, o pequeno lago com peixes, as camas de rede entre as árvores e o abrigo dos animais que na Aldeia (ovelhas, cabrinhas anãs, patos, galinhas, pavão).

Para dormir aqui, saiba que as suites acomodam até quatro pessoas, num espaço entre 22 a 35 metros quadrados, e estão distribuídas por vários edifícios, para garantir a privacidade dos hóspedes. São equipadas com ar condicionado, televisão, minibar e um duche que garantem uma estadia luxuosa.

Na zona exterior vai poder aproveitar o sol na piscina que tem uma vista panorâmica e deslumbrante. Pode conhecer também os hóspedes permanentes desta casa acolhedora: as tais ovelhas, galinhas, pavões, entre muitos outros animais, que partilham espaço com as mais de 300 árvores de fruto e horta biológica no terreno.

Pode ainda deliciar-se ainda com os sabores da região no restaurante da Aldeia da Margarida, onde são servidas refeições inspiradas na gastronomia tradicional portuguesa. Da posta de vitela arouquesa, ao polvo à lagareiro, as opções são muitas. Além de um pequeno-almoço completo, incluído na estadia, o restaurante serve refeições ligeiras durante todo o dia e o jantar é servido à carta mediante reserva antecipada.

Nestas férias do descanso, se quiser juntar aventura, tem por perto as Aldeias da Montanha, os imperdíveis Passadiços do Paiva ou o Cais de Porto Antigo, entre outras regiões a explorar

Os preços para a Aldeia da Margarida variam entre 80€ e 180€, consoante a época do ano e suites e as reservas podem ser feitas online.

De seguida, carregue na galeria para conhecer este novo e incrível turismo rural.

FICHA TÉCNICA

ESTILO
turismo rural
PREÇO MÉDIO
entre 51€ e 100€
AMBIENTE
serra

ÚLTIMOS ARTIGOS DA NiT

AGENDA NiT