Turismos Rurais e Hotéis

Há mais um belo alojamento para passar umas férias de sonho na Ilha do Pico

Depois do sucesso de A Casa de Altamora, nasce um espaço que o convida a visitar a ilha, enquanto se "sente em casa".

Foi em 2018 que Zé Maria Pereira, um músico de jazz lisboeta rendido às maravilhas da Ilha do Pico, nos Açores, se lançou na “aventura do turismo”. Nessa altura abriu a primeira de três casas que recuperou na ilha pela qual se apaixonou.

A Casa da Altamora foi inaugurada em agosto desse ano, meses depois de o jovem lisboeta perceber que estava na altura de mudar completamente de vida. Num ritmo e num ambiente feitos de paz e de natureza, Zé Maria decidiu partilhar essa tranquilidade com pessoas de todo o mundo e a aposta foi um sucesso.

Mesmo com uma pandemia pelo meio, o balanço do primeiro alojamento é, até agora, super positivo. Tanto que o músico e os seus amigos, agora sócios, nunca mais pararam.

“Depois do sucesso da nossa primeira experiência (Casa da Altamora), continuámos a aprender esta profissão linda que é sonhar, investir, renovar e, por último, receber pessoas do mundo inteiro”, conta Zé Maria à NiT.

Na Ilha do Pico, ou pelo menos na região da Piedade, Prainha, Santo Amaro, quem gere este alojamento já não é desconhecido na comunidade. “E é com muita alegria que reparamos que fazemos um pouco parte daquela amistosa e insular sociedade”.

Por isso, “após dezenas de hóspedes satisfeitos”, foi agora inaugurada uma segunda unidade. Fica a apenas 15 minutos da primeira, na Prainha.

Se a Casa da Altamora foi uma “aprendizagem e uma tentativa de atingir a excelência”, a nova The House/A Casa é uma “depuração de conceitos”,  em que os empresários quiseram ser “o mais simples e tradicionais” possível.

“Não queremos que os nossos hóspedes se sintam numa casa de Airbnb mas sim numa casa incrivelmente simples e confortável, como se fosse de um primo afastado. Até porque sabemos que se a casa for despida de luxos e extremamente confortável, a envolvência faz o resto, e não lhe queremos tirar destaque”, conta-nos o músico.

A casa serve, sobretudo, de espaço para descansar, deixando as riquezas da ilha terem o papel principal. É, adianta Zé Maria, como uma “plataforma de observação do mar, da vinha, da ilha de São Jorge em frente, da montanha. Não queremos nem podemos tirar destaque a este lugar de sonho e por isso dizemos que a The House/A Casa é para os que concordam que a beleza se atinge pela simplicidade”, adianta.

Pode alojar até oito pessoas, está no Airbnb e tem atualmente “preços muito atrativos para os primeiros visitantes a experimentar o resultado de três anos de aventura Açoriana”, conta o músico. Há noites, mesmo em junho e para a casa toda, a partir dos 180€.

O Pico, a segunda maior ilha dos Açores, tem o ponto mais elevado de Portugal e é um motivo de visita e passagem para milhares de turistas todos os anos. Mas são menos os que acabam por lá dormir, por assumir que as opções são raras ou demasiado caras. No entanto, e como está cada vez mais na moda, tem havido uma aposta crescente em alojamentos que permitem aos hóspedes conhecerem a ilha com tempo e calma..

Os alojamentos de Zé Maria, que em tempos já tocou com nomes como Agir e HMB, entre outros, nasceram precisamente desta necessidade, bem como do deslumbramento assumido do músico pela ilha

O sucesso do primeiro alojamento, explica, ficou a dever-se muito à localização e mística da tal ruína, que viria a ser a Casa da Altamora.

“A casa por que nos apaixonámos diz muito sobre nós. Esta fica já fora da Aldeia da Piedade, no extremo Oriental da ilha, oposto aos maiores centros populacionais e virada à Ilha de São Jorge. Praticamente isolada, no entanto à distância a pé da aldeia, mergulha os hóspedes na paz do verde açoriano”.

A casa abandonada tinha sido projetada com simplicidade para uma família numerosa. Encontrado o empreiteiro local e o arquiteto, o projeto partiu paredes, simplificou ainda mais e criou condições para ela receber até doze pessoas, “com o conforto que quereríamos para as nossas famílias”.

A Altamora tem seis quartos, quatro com cama de casal e dois com duas camas single, uma cozinha ampla e moderna, Wifi, ar-condicionado, dois WC, um mega terraço e todas as comodidades.

“Queremos, principalmente, que quem lá vá (incluindo nós mesmos) sinta a paz e beleza que rodeia a casa. Para isso construímos o terraço que imaginámos logo em fevereiro, quando a descobrimos em ruínas. O meu sócio João Rebello de Andrade acompanhou as obras de perto”.

Aqui, os preços começam nos 40€ por noite por pessoa e vão descendo consoante o tamanho do grupo. A Ilha do Pico fica a seis quilómetros do Faial e é a ilha mais a sul do Grupo Central do Arquipélago dos Açores. O ponto mais elevado da ilha, com 2350 metros de altitude, é também o ponto mais alto de Portugal e está situado no Piquinho, na Montanha.

Carregue na galeria para conhecer melhor a Casa da Altamora e a nova The House, onde pode ficar nas próximas férias de sonho na Ilha do Pico.

ÚLTIMOS ARTIGOS DA NiT

AGENDA NiT