Turismos Rurais e Hotéis

Fomos conhecer a Herdade do Vale Manantio e ficámos encantados com a paz e o silêncio

O turismo rural fica em Moura, perto da barragem de Alqueva. Tem uma incrível piscina infinita e um jacuzzi ao ar livre.
É um oásis de paz.

Quando somos convidados para fazer uma escapadinha no Alentejo, é quase impossível recusar — e não consegui resistir à tentação. A chuva que estava prevista para o fim de semana não chegou e estiveram dois belos dias de sol. Tudo o que queremos para partir de mochila às costas à descoberta dos recantos da região. 

Foram cerca de duas horas de viagem para chegar à Herdade Vale do Manantio, em Moura, nas margens do Alqueva. O percurso fez-se bem, pelo menos até chegar à entrada da propriedade onde fui recebida por uma extensa estrada de terra com alguns buracos que fui tentando evitar durante uns (longos) 10 minutos. Se adivinhasse o futuro, não teria ido lavar o carro antes de seguir viagem: não valeu a pena. 

A meio do caminho, encontrei um portão fechado que só se abriu quando liguei para os números que estão lá expostos, o que significa que a propriedade é, de facto, bastante privada. Não entra lá ninguém, exceto os hóspedes (e os funcionários, claro). Ao chegar à herdade, fui recebida por uma das colaboradoras que me contou um pouco da história desta casa com características que não são muito comuns.

A Herdade Vale do Manantio foi adquirida pela família Bravo em 1968 devido à forte ligação de João Maria Bravo com a natureza e com a caça. Nos primeiros anos enquanto proprietário, o escritor de diversos livros sobre a prática da caça (uma antiga paixão na família) e ex-vice-cônsul de Luxemburgo, a casa era um destino de férias e onde recebia os amigos para caçarem. Repovoou a herdade com espécies cinegéticas autóctones, como a perdiz e o coelho, de forma a dar continuidade às caçadas.

O filho do antigo proprietário, que partilha o nome com o pai, decidiu abrir o espaço como turismo rural após a construção da barragem de Alqueva, em 2004, que passou a chamar muitos turistas àquela zona. Com mais de 1000 hectares de terreno, a Herdade Vale do Manantio apresenta uma paisagem tipicamente alentejana: campos de trigo, olivais e pastos atravessados por ribeiros até às margens do Alqueva.

Assim que se entra na casa, é impossível não perceber que aquela foi, em tempos, uma propriedade de caça: em todo o lado, há vários animais expostos na parede. Numa das primeiras divisões existe ainda um pequeno museu dedicado a João Maria Bravo (pai) com alguns dos seus troféus de caça e de tiro aos pratos. 

A “visita guiada” continuou e a colaboradora, que se chamava Andreia, mostrou-nos a sala de jantar remodelada, que é utilizada nos dias mais frios, e a sala de estar, a única divisão da casa onde existe uma televisão. Nos quartos, não há nenhum destes aparelhos que nos distraem daquilo que é realmente importante: relaxar no meio da natureza.

Por fim, chegou o momento mais importante quando ficamos hospedados seja onde for: descobrir onde vamos dormir. O turismo rural dispõe de 14 quartos, todos eles com uma decoração diferente e inspirada nos detalhes do monte. Fiquei no Quarto Lareira que, como o nome indica, contava com uma lareira junto às camas. No inverno é uma característica importante para quem não quer passar frio durante a noite. Já no verão, é meramente um acessório decorativo que, apesar de não ter qualquer uso, torna o espaço mais acolhedor. 

O quarto era enorme, bem como a casa de banho e, assim as restantes divisões, tinha vários quadros pendurados na parede com imagens de animais. Na decoração, predominam os tons de branco e castanho — cores neutras e térreas que transmitem tranquilidade e simplicidade.

Encostada a uma das paredes, encontrava-se ainda uma enorme secretária com um livro — igualmente grande — sobre a história de João Maria Bravo. Do lado oposto, estava uns daqueles cadeirões tradicionais, mesmo junto à lareira.

Além da porta de entrada, o quarto tinha ainda duas outras portas: uma de acesso a uma zona mais privada, com um sofá para relaxar ao ar livre, e a outra que dava acesso à parte mais incrível da herdade: o enorme pátio com uma piscina infinita de água salgada.

Depois de arrumarmos as coisas, foi para lá que me dirigi — e só saí de lá para jantar. Admito que a estadia foi bem melhor do que estava à espera, não só pela piscina, mas pelo silêncio e tranquilidade. Não se ouvia barulho nenhum (apenas as conversas ocasionais dos restantes hóspedes) e, para quem está habituado ao ruído das grandes cidades, foi uma enorme surpresa. Por momentos senti que estava numa realidade alternativa, até porque não sabia que era possível apanhar sol no meio de tanto silêncio e paz. 

Junto à piscina há várias espreguiçadeiras e dois confortáveis sofás, que foram os meus spots favoritos para descansar. Outra particularidade deste turismo rural é que, mesmo junto à piscina de água salgada, existe um jacuzzi mesmo a chamar por nós. Tudo isto com uma vista incrível para o terreno e onde era possível avistar, ao longe, alguns cavalos. Quase parecia o cenário de um dos quadros pendurados na parede. 

A zona exterior tem ainda uma enorme área verde, com espaço suficiente para dar uns toques numa bola (mas, por favor, não a atirem à cabeça de ninguém para não estragarem os momentos de serenidade e sossego). Perto da zona de mergulhos há ainda uma espécie de bar onde os hóspedes podem encher o copo com água com limão. 

Se preferir algo com álcool, só precisa de ter paciência: a certa altura, vai chegar uma das colaboradoras com uma carta de bebidas e perguntar se quer beber alguma coisa. Escolhi um gin, porque se era para relaxar, era para ser a sério. Quando o sol se começou a pôr e o frio já se começava a sentir, fugi para o quarto onde vi, possivelmente, um dos sunsets mais bonitos de sempre. Tive a sorte de ter uma vista privilegiada para este momento que pintou o céu de laranja durante uns minutos.

Por volta das 20h30, a fome já apertava e fui para a zona de refeições ao ar livre para jantar, literalmente, à luz das velas. Para entrada, chegou uma tábua de enchidos. O lombo de porco assado no forno, a perdiz à Vale do Manantio, o bacalhau com natas e as lulas à Vale do Manantio são algumas das opções da carta. Optei pelo lombo de porco e pelo bacalhau com natas, que estavam tão incríveis como a sobremesa: um cheesecake de limão.

Ainda fiquei por lá algum tempo, até dar o dia por terminado e fui para o quarto dormir. Uma tarefa que se revelou bastante fácil, tendo em conta o silêncio que pairava no ar. Já no dia seguinte, acordei muito a tempo do pequeno-almoço, que é servido em modo buffet entre as 9h30 e as 10h30. O check-out é feito ao meio-dia, mas (felizmente) ainda me deixaram ficar mais umas horas na piscina. Precisava de arranjar coragem para voltar a enfrentar aquela estrada de terra.

Carregue na galeria para conhecer a incrível Herdade Vale do Manantio, que é perfeita para famílias ou casais que procuram um ambiente intimista e silencioso.

ver galeria

FICHA TÉCNICA

  • MORADA
    Herdade Vale do Manantio, Estrada Nacional R255
    7885-000 Beja
ESTILO
turismo rural
PREÇO MÉDIO
Mais de 200€
AMBIENTE
rural

ÚLTIMOS ARTIGOS DA NiT

AGENDA NiT