Turismos Rurais e Hotéis

Novo turismo rural do Alentejo tem uma quinta pedagógica e uma “panóplia de animais”

O Reflexos d'Alma, em Estremoz, foi construído de raiz por Valter Águas que regressou a Portugal após 17 anos em Angola.
Há muitos animais.

“Com calma e com alma.” É com esta descrição que o novo turismo rural no coração do Alto Alentejo, perto de Estremoz, dá as boas-vindas aos hóspedes desde outubro. Valter Águas, de 48 anos, recorreu precisamente à “serenidade e determinação” para concretizar o sonho de abrir um empreendimento “para estar com a família, mas também receber outras pessoas”.

Sempre esteve ligado à área da hotelaria, mas nunca se tinha aventurado a construir, praticamente de raiz, um alojamento. O Reflexos d’Alma foi o desafio a que se propôs quando decidiu despedir-se de Angola, país onde nasceu, para regressar a Portugal, após 17 anos. “Tomei a decisão de voltar em 2017 devido à instabilidade que se sentia no país antes das eleições”, começa por contar à NiT.

Feitas as malas, mudou-se para Cascais e viu ali uma oportunidade de mudar de vida e até de carreira. Em África havia trabalhado em várias empresas relacionadas com a área da hotelaria e restauração, mas passava “muitas horas em reuniões e no computador”. Como não queria voltar a essa rotina, pensou abrir um turismo rural.

A procura por um espaço onde pudesse investir começou pouco depois. Esteve prestes a fechar outros negócios, que acabaram por não se concretizar, porque “não se identificava verdadeiramente com nenhum”. Tentou a Costa Vicentina, “por gostar muito do mar”, mas já estava tudo demasiado caro. Em 2020, descobriu um terreno na vila de Veiros, em Estremoz, e não teve dúvidas de que seria ali. 

“Não existia praticamente nada, era só um monte, mas acreditei que poderia fazer algo diferente”, confessa. Arrancou com a construção ainda antes da Covid-19, mas a pandemia veio atrasar todo o processo — e colocou em causa o projeto de Valter.

“Deixou de haver turismo, não havia pessoas na rua. Pensei, na altura, que tinha andado a trabalhar a vida toda para gastar dinheiro num alojamento que podia não correr bem”, recorda Como já tinha avançado com o projeto, decidiu que já não valia a pena desistir. “Acreditei que podia dar a volta, e ainda bem”, conta.

Rodeado de campos verdejantes e com uma “vista de perder o fôlego” conseguiu construir, num terreno que nada tinha, um edifício em forma de L com seis suites personalizadas, quatro delas com um terraço e espelho de água, e duas com um pátio interior e janela no teto. Uma delas, a Romântica, tem inclusive um jacuzzi privado.

A Suite Centeio destaca-se pelos seus tons de terra, enquanto a Azeitona chama à atenção devido ao tom verde semelhante ao das folhas das oliveiras. A receção encontra-se na moradia principal, onde existe também um apartamento T2 mais direcionado para famílias, com capacidade para receber seis hóspedes, em vez de dois. 

Já no que diz respeito à decoração, admite que tentou criar “algo com calma”. As peças de mobiliário de madeira foram criadas por um marceneiro do Porto, que as construiu a partir da mesma árvore. Privilegiou ainda o mármore de Vila Viçosa e a calçada alentejana, para criar um “ambiente rústico, mas, ao mesmo tempo, moderno”.

Com três hectares de área de construção e outros seis de terreno, o que não faltam são locais para os hóspedes passarem os dias com conforto, principalmente no exterior. É lá que encontram uma piscina de água salgada e aquecida, um espaço envolvente com pomares e oliveiras e uma horta biológica. O proprietário criou ainda uma zona wellness, onde é possível receber massagens, e uma zona lounge com redes de descanso e baloiços de frente para o pôr do sol.

Um dos grandes destaques, contudo, é a quinta pedagógica com póneis, cavalos, coelhos, cabras, ovelhas, patos, codornizes e galinhas. “Temos uma panóplia de animais, todos criados por nós e muito dóceis, que andam à solta na quinta. Todos podem alimentá-los”, adianta. 

Passeios equestres, de bicicleta, jipe e balão são outras das atividades que os hóspedes podem fazer se escolherem ficar alojados neste refúgio do Alto Alentejo. Para Valter Águas, o grande objetivo com o Reflexos d’Alma, foi criar um turismo rural que respeitasse a natureza e “um espaço para nos desligarmos do nosso dia e abrandar o ritmo, ter tempo para pensar.”

Quanto aos preços da estadia, os valores rondam os 130€ e os 150€ por noite. As reservas podem ser feitas online.

A seguir, carregue na galeria para conhecer melhor o novo turismo rural de Estremoz. 

FICHA TÉCNICA

  • MORADA
    Estrada Nacional 372 s /n


    7100-712  Estremoz
ESTILO
turismo rural
PREÇO MÉDIO
Entre 100€ e 200€
AMBIENTE
rural

ÚLTIMOS ARTIGOS DA NiT

AGENDA NiT