Turismos Rurais e Hotéis

O hotel de sonho que tem cavalos para os miúdos e banho turco para os pais

O Vila Galé Alter Real dispõe de bicicletas e triciclos para alugar que permitem um passeio tranquilo pela propriedade.
É um paraíso para as famílias.

Desta vez, na saga “Miguel esquadrinha os melhores locais para passar tempo de qualidade em família, principalmente com miúdos pequenos porque todos sabemos que a partir da adolescência não vale a pena contar com eles porque, regra geral, perdemos os sacaninhas para as hormonas”, rumámos ao Alto Alentejo.

Em Alter do Chão, rodeada de sobreiros, oliveiras e muita natureza silvestre, descobrimos o Vila Galé Collection Alter Real – Resort Equestre, Conference & Spa. Um nome complexo para uma espaço que é precisamente o oposto: um local descomplicado onde a tranquilidade da paisagem se alia à arquitetura térrea e tradicional, que nos convida imediatamente a relaxar. E isso é ótimo já que depois de cerca de duas horas de viagem a ouvir “já chegámos aos cavalos? Já chegámos aos cavalos? Já chegámos aos cavalos?”, chegar finalmente “aos cavalos”, é uma benção, principalmente para quem gosta destes bichos.

É que este resort de quatro estrelas está integrado na Coudelaria de Alter do Chão, criada em 1748 e considerada a mais antiga do mundo a funcionar ininterruptamente no mesmo local. Aqui são criados alguns dos melhores exemplares da raça Puro-Sangue Lusitano que nos últimos anos têm atingido performances de nível internacional, nomeadamente, no domínio da Dressage. Uma categoria que curiosamente eu aprecio muito e até pratico, sempre que estou a correr na cidade e tenho de parar porque está vermelho para os peões e fico ali a fazer figura de equídeo.

Para quem quiser uma verdadeira experiência de equitação o hotel dá aos clientes a oportunidade de fazer batismo equestre, atrelagem, aulas de volteio, e também passeios a cavalo, tanto para estreantes como para aficionados. Na visita guiada que fizemos à coudelaria chegámos, a certa altura, a um dos locais preferidos dos miúdos: o Páteo das Éguas. Aqui os pequenos poldros fitam-nos com curiosidade juvenil enquanto as fêmeas comem tranquilamente, indiferentes às selfies de um entusiasmado grupo de humanos. A visita termina na casa dos trens, um género de mini museu dos coches — mas sem carradas de turistas — que exibe uma coleção de carros de cavalos do século XIX. Alguns são ainda usados em atividades equestres, competições e passeios pelo campo ou até Alter do Chão.

Mas os cavalos não são os únicos animais para conhecer no Vila Galé Alter Real. É que além da coudelaria este resort, inserido na Tapada do Arneiro, com 800 hectares, alberga uma falcoaria, outro dos locais emblemáticos da propriedade. Sendo um dos poucos espaços do País dedicado à divulgação desta arte milenar, também realiza visitas guiadas diárias em vários horários. Como o meu filho já migrou da fase dos dinossauros para a fase das aves de rapina, não podíamos deixar de fazer uma visita a este centro que é Património Imaterial da Humanidade pela UNESCO.

Aqui encontram-se algumas das mais conhecidas aves predatórias como os Açores ou a Águia-Real. Mas o lugar de destaque vai para o Falcão Peregrino, tido como o animal vertebrado mais rápido do mundo: o seu voo picado pode chegar aos 385 quilómetros por hora. Curiosamente a mesma velocidade que os meus filhos atingiram quando viram a piscina do Kids Club, aqui sim com dois escorregas-dinossauro, que os atiram diretamente para a água.

Tal como noutras unidades do grupo Vila Galé, também aqui o Club Nep é o maior aliado dos pais e uma das razões que diferencia este grupo hoteleiro, pela positiva. Um espaço dedicado inteiramente às crianças, onde todas as atividades infantis são acompanhadas por animadores especializados e pela mascote do Clube — Nep, o Rei dos Mares. Depois de uma primeira experiência no Vila Galé Sintra, em que os miúdos ficaram completamente rendidos ao encanto dos animadores, as expectativas estavam bem altas. Mas rapidamente percebemos que, também aqui, a animação infantil é levada muito a sério. Um aparente paradoxo que é assumido na perfeição pelo Dudu, o animador de serviço, que com uma alegria contagiante vai conduzindo os pequenos pelas diferentes atividades da agenda diária.

E como diria a senhora dos fails da TVI, “não são muitas, não são poucas, bastantes.” É realmente uma programação diária, extensa, que incluiu uma visita à horta pedagógica para “dar vida ao espantalho”, atelier de têxteis e pinturas, jogos tradicionais, desportos aquáticos e até uma sessão de Bingo onde pais e filhos puderam participar. Infelizmente a sorte não estava do nosso lado, porque estava mesmo à nossa frente, mais precisamente na mesa de uma outra família que conseguiu preencher a totalidade do cartão.

Se eu soubesse que ia haver Bingo, tinha sacado uma ferradura durante a visita aos estábulos mas, enfim, o que importa é participar. Essa é a principal lição que transmiti aos meus filhos, e depois disse-lhes para irem brincar para a piscina e fazerem uma amona aos putos da mesa da frente que não paravam de se gabar por terem feito bingo.

A pedagogia é sempre mais eficaz em momentos lúdicos. Por falar nisso, este resort tem duas piscinas exteriores para adultos e uma para crianças, além de um spa com piscina interior aquecida, até hoje, a melhor piscina interior que encontrei num hotel. Não apenas pela dimensão ampla que tem, mas principalmente pela envolvência. Rodeada de paredes e cobertura de vidro, sentimos que estamos em perfeita sintonia com a paisagem alentejana, o que aumenta a sensação de enorme tranquilidade. Mesmo até, quando o Dudu entra pelo espaço adentro com a sua coluna de som acompanhado por um grupo de mini dançarinos — entre os quais, os meus filhos — e nos desafia para uma aula de hidroginástica, ao ritmo do axé do Netinho. Uma belíssima ideia à qual eu só não aderi porque nessa altura já tinha coisas combinadas na cabine do banho turco. Nomeadamente um pouco de meditação para me preparar para mais duas horas de viagem a ouvir: “quando é que voltamos aos cavalos?”, “Quando é que voltamos aos cavalos?”, “Quando é que voltamos aos cavalos?”

FICHA TÉCNICA

  • MORADA
    Tapada do Arneiro
    7440-152 - Portugal
ESTILO
hotel
PREÇO MÉDIO
entre 101€ e 150€
AMBIENTE
wine house

ÚLTIMOS ARTIGOS DA NiT

AGENDA NiT