Turismos Rurais e Hotéis

O primeiro hotel-cápsula do mundo controlado por IA está a 470 quilómetros da fronteira

O District Hive fica no meio do deserto de Gorafe, em Espanha. É 100 por cento autossuficiente e o hóspede tem de gerir tudo.
Uma experiência incrível.

Com o mundo em constante mudança, existem cada vez mais projetos inovadores que revolucionam completamente o setor turístico. O que não faltam por aí são opções de alojamentos que fogem aos padrões tradicionais e, aquilo que antes era uma simples noite num hotel ou num apartamento de férias, agora pode ser uma verdadeira experiência de vida. 

É o caso das estadias no novo hotel-cápsula, também conhecido como podtel. É 100 por cento autossuficiente e transportável e pode ser instalado nos lugares mais remotos, bonitos e inacessíveis do planeta. Controlado por inteligência artificial e gerido através de uma app, o District Hive chegou ao deserto de Gorafe, em Granada, Espanha, no final do ano passado sem deixar qualquer vestígio no terreno, até porque não necessita de qualquer infraestrutura. Para uma experiência de imersão no meio ambiente e de absoluta desconexão, é o hóspede que controla tudo neste eco-hotel.

Com o objetivo de “mudar o conceito tradicional que temos de um alojamento de qualidade superior para viajantes à procura de se desconectarem do mundo, mergulhando completamente no meio ambiente”, o District Hive é um projeto onde o luxo se une com a sustentabilidade e proporciona uma experiência altamente tecnológica e, ao mesmo tempo, completamente desligada do resto do mundo. 

O sonho de dar vida a um hotel-cápsula surgiu há cerca de quatro anos e a ideia original, assim como todos os pormenores, foram criados pela DistrichHive LDA, com sede em Portugal. “Para tornar isto possível, envolvemos em todo o processo algumas das melhores empresas mundiais em diferentes áreas: arquitetura, engenharia, construção, design de interiores, etc”, explica Priyesh Patel, o diretor-geral da District Hive.

Depois de uma visita com a família ao deserto de Gorafe, Priyesh Patel teve a certeza de que este era o local ideal para dar início ao projeto por ser “isolado e deslumbrante”.

O podtel é “uma nova forma de entender o turismo numa perspetiva de sustentabilidade e eficiência”. É capaz de gerar a sua própria água a partir do ar e eletricidade através de energia solar. Além disso, faz a gestão de águas residuais, transformando os resíduos em cinzas.

Mais do que um projeto sustentável e responsável, também é amigo do ambiente: não toca no solo e não requer infraestrutura, tubagens ou saneamento. “O sistema de suporte possui seis pés de fixação que, como uma nave espacial que acaba de pousar em Marte, pousa no solo. O impacto ambiental no local é nulo, pois não há consumo de recursos locais”, explica o responsável. Isto significa que, assim que o hotel-cápsula é removido, o local fica intacto. 

Outro dos destaques do projeto tem a ver com o recurso à inteligência artificial — todos os sistemas são controlados através da app District Hive, disponível para os sistemas operativos iOS e Android. Através da aplicação os hóspedes conseguem controlar a abertura de portas, a temperatura, o aroma interior, a iluminação, o som ou até comprar alimentos e bebidas. Já a Hivemind, o outro sistema de inteligência artificial da cápsula, “é capaz de prever os tempos de desligamento em caso de consumo energético excessivo”. 

O objetivo da empresa é difundir este conceito inovador de alojamento autónomo de luxo pelo mundo, instalando estes hóteis-cápsula em locais remotos, com uma beleza única e que se destacam pela sua singularidade.

O processo de construção e instalação do podtel foi realizado pelo MOHO Arquitetos, um gabinete espanhol com sede em Múrcia com quem a empresa já tinha trabalhado anteriormente. Um dos maiores desafios da concretização do projeto foi, segundo Patel, a questão do transporte. Para chegar ao destino, tiveram de subir uma montanha, percorrendo terrenos complicados. 

O hotel-cápsula é um pequeno módulo de 35 metros quadrados, com instalações sanitárias, uma cozinha-sala de jantar, um quarto com cama de casal ‒ e uma segunda escondida ‒, armários e prateleiras multifuncionais e uma pequena sala onde se concentra todo o equipamento técnico. Por estar no meio do deserto, tem também uma área no terraço para a observação das estrelas.

As reservas podem ser feitas online, no Booking e Airbnb e os preços começam nos 300€ por noite. 

Como lá chegar

Para chegar ao deserto de Gorafe, a opção mais rápida é apanhar avião até ao aeroporto de Granada. Se partir de Lisboa ou do Porto, o preço dos bilhetes para a cidade espanhola começam nos 27€.

Quando aterrar, a melhor forma de chegar ao deserto é alugando um carro ou, em último caso, de táxi ou uber. Quando a reserva é confirmada, o podtel envia a localização exata com todas as direções para a aplicação. Fica a cerca de uma hora e meia de Granada. 

De seguida, carregue na galeria para conhecer melhor este incrível hotel-cápsula.

ver galeria

ÚLTIMOS ARTIGOS DA NiT

AGENDA NiT