Turismos Rurais e Hotéis

Sugestão NiT: o retiro perfeito é nestas tendas de luxo escondidas em Portugal

São quatro yurts confortáveis entre frutas tropicais raras que pode provar, enquanto espreita a vista soberba sobre a ilha do Pico.
É um retiro na natureza

É nos terrenos verdes e íngremes da Ilha de São Jorge que Hugo Mesquita e Natacha Moitinho passam os seus dias entre árvores de frutos raros e tropicais. É ali, naquela que dizem ser “a maior coleção de frutíferas tropicais raras e bio de Portugal”, que só param para admirar a vista privilegiada do ponto mais alto do País, na ilha do lado, a do Pico.

Desde 2019 que o casal também pára por outros motivos, neste caso para acolher os hóspedes do seu Retiro Atlântico, um retiro de bem-estar no meio da natureza que criaram em 2019 para lá aplicarem as suas grandes paixões.

Hugo, 37, é um apaixonado pela permacultura e pelo terreno que pertence à família há já cinco gerações — e que transformou de matagal denso numa quinta biológica; Natacha, 39, é uma ex-auditora que se dedicou ao ioga e ao health coaching. “As nossas paixões não eram rentáveis numa ilha tão pequena, não davam para sobreviver, e por isso decidimos aliá-las ao turismo”, explica à NiT Natacha, que se mudou para a ilha há uma década.

“Aqui dou aulas de ioga aos hóspedes, faço workshops vegetarianos, e o Hugo cuida da quinta, apresenta-a e dá a conhecer (e a provar) os frutos.”

Não foi fácil transformar o terreno rochoso naquilo que ele é hoje. Ainda há, contudo, muito por fazer. Do total de cinco hectares, há agora 10 mil metros quadrados cuidados e que fazem parte do glamping e da quinta de árvores de fruto.

Mesmo a construção das tendas foi complicada. Dada a inclinação do terreno, foi necessário recolher as pedras e, com elas, fazer longos socalcos que permitissem receber as tendas, neste caso yurts de linhas asiáticas.

“Achamos que eram as mais bonitas e também gostamos de coisas diferentes. Queríamos também que fossem de uma cor que não chocasse com a paisagem”, explica sobre os quatro yurts que nasceram no espaço.

Desenhados para serem ocupados por casais, também é possível acrescentar uma cama extra. Têm um total de 18 metros quadrados de área.

Para lá das tendas, foi necessário fazer o chão de madeira onde assentam — todo feito por Hugo e o pai —, mas também decorar cada uma delas com elementos mais clássicos, embora todos eles distintos de yurt para yurt. Ainda há espaço para mais, mas Natacha garante que por enquanto, não há intenções de expandir, até para manter tudo “mais familiar”.

Apesar de pequena, a quinta está ao dispor de todos os hóspedes para pequenos passeios e visitas guiadas. Para lá das sessões de health coaching e das aulas de ioga, o Retiro Atlântico, na freguesia da Urzelina, entre Velas e Calheta, é a base perfeita para partir à descoberta da ilha “que muitos dizem não ter nada para ver”, mas que “é um paraíso para quem gosta de nadar e da natureza”, garante Natacha.

A apenas sete minutos a pé há um pequeno porto onde é possível mergulhar no mar. Depois, é partir à descoberta de locais únicos como a Caldeira de Santo Cristo ou a Poça de Simão Dias.

“Pode dar-se a volta à ilha de barco, São Jorge é também um dos melhores sítios para fazer canyoning, há queijos para provar e até temos a única plantação de café da Europa”, recomenda.

E acordar com esta vista?

Embora não sirvam refeições, todos os esforços vão no sentido de tornar o pequeno-almoço — incluído na estadia — absolutamente inesquecível, entre produtos regionais, pães, doces da quinta, mel, queijos locais e, de vez em quando, alguns dos raros frutos das suas árvores.

“Ainda são pequenas e portanto não produzem em grande quantidade, mas sempre que possível colocamo-los no pequeno-almoço”, diz. Prepare-se, portanto, para descobrir o zapote preto, o fruto que parece um pudim de chocolate e sabe a “uma espécie de abacate doce”, ou o zapote branco, de sabor “mais abaunilhado”, ou mesmo o fruto de manteiga de amendoim que, sim, sabe ao próprio nome. “Temos 25 variedades de manga, 10 variedades de bananeiras e oito variedades de maracujaleiros.”

Em maior número, só mesmo as estrelas, todas visíveis no céu escuro e límpido da ilha. Uma vista que rivaliza, mas que não bate a visão sobre o Pico.

Carregue na galeria para ver mais imagens deste retiro maravilhoso nos Açores. 

FICHA TÉCNICA

  • MORADA
    Retiro Atlântico, Caminho do Extremo, Urzelina
    9800-425 Ilha de São Jorge
ESTILO
glamping
PREÇO MÉDIO
Entre 50€ e 100€
AMBIENTE
rural

ÚLTIMOS ARTIGOS DA NiT

AGENDA NiT