NiTcom

Bahia: o paraíso com praias, comida maravilhosa e festas o ano inteiro

Salvador é a casa de um dos mais conhecidos Carnavais do mundo. A meio do ano, celebra ainda os inesquecíveis festejos de São João.
Tem muita animação.

Falar em Carnaval e não pensar no Brasil é quase impossível. O país latino-americano é a casa da festa popular mais conhecida do mundo, e apesar de todos estados daquele país organizarem festas nesta altura do ano, há zonas específicas que são ainda mais especiais. E a Bahia está no topo da lista. A história da cidade é conhecida entre os portugueses — foi precisamente lá, em 1500, que Pedro Álvares Cabral pisou o Brasil pela primeira vez. 

Hoje em dia, o estado da Bahia, sobretudo a sua capital, Salvador, é uma mistura de várias culturas. Mantém a arquitetura colonial portuguesa, mas de uma forma totalmente integrada com influências africanas e nativas. Esta junção perfeita criou um dos pilares do Carnaval de Salvador e transformou-o num dos mais populares do Brasil e do mundo. 

A festa que viaja o mundo destaca-se pela espontaneidade e liberdade, sem perder espaço para as críticas contra os preconceitos e política. Seja ao som de forró, música eletrónica ou samba, não faltam motivos para dançar e celebrar a época ao lado dos nossos familiares e amigos — ou, por vezes, completos desconhecidos.

Este ano, Salvador recebeu 11 milhões de brasileiros ansiosos pela festa e três milhões de turistas. As ruas e os hotéis encheram-se de hóspedes de todas as idades que só queriam aproveitarem a Cidade do Carnaval, que ocupa uma área de 25 quilómetros. O mais incrível é que o recinto costuma ser percorrido por inteiro pelos visitantes.

Como é habitual, os turistas contam com o apoio da Secretaria de Turismo (Setur-BA), para que nada lhes falte. São recebidos por uma equipa de guias turísticos, agentes de informação e intérpretes. Há quem diga que o que é bom e divertido tem de ser partilhado. É precisamente por isso que todos estão sempre conectados através do acesso livre e gratuito ao Wi-Fi no Pelourinho, o emblemático bairro e coração da capital.

Pelas ruas históricas de Salvador, a celebração avança noite dentro com os enormes trios elétricos e grupos culturais que trazem uma energia contagiante com estilos musicais que passam pelo afro, samba e axé (nascido na Bahia através da mistura de géneros como reggae, forró, samba e ritmos do candomblé). O mais difícil é mesmo escolher qual o grupo que vale a pena acompanhar. 

Os blocos mais cobiçados da zona contam com atuações de artistas locais, ao lado das maiores estrelas brasileiras, como Ivete Sangalo, Claudia Leitte e Chiclete com Banana, que sobem aos trios elétricos com uma energia incansável. E não é exagero, muitas vezes, ficam por lá durante cinco ou seis horas sem parar, sempre a dar o exemplo.  

Os trios elétricos juntam uma multidão de pessoas, que também se distinguem de várias formas. É possível comprar um abadá com antecedência — isto é, uma T-shirt característica de um certo bloco, que permite acompanhar aquele grupo num espaço VIP e com a presença de um segurança. No caso de escolher uma peça com a expressão “pipoca”, significa que prefere acompanhar vários trios elétricos, sem pagar qualquer quantia, entre a multidão.

Da música popular até à eletrónica, há opções para toda a gente. Mas são os blocos tradicionais afro-brasileiros que se destacam, como o Olodum —graças ao ritmo envolvente dos seus tambores — e o Ilê Aiyê, que promove a expansão da cultura africana.

A grande festa no Pelourinho.

Todos os anos, são ainda preparados dois circuitos para os trios elétricos. O de Barra-Ondina é o mais importante e vai até à costa da cidade; já o de Campo Grande, um dos mais movimentados, termina na Praça Castro Alves. Ambos percorrem uma distância de quatro quilómetros, num período de cinco horas. 

Para manter a energia, as várias tendas espalhadas pela cidade garantem boa comida e cocktails. Tanto pode optar por um simples hambúrguer, com  por um prato tradicional. A NiT recomenda que prove o vatapá, feito com pão molhado, gengibre, malagueta, amendoim, castanhas, leite, azeite, cebola, alho e tomate. 

Já aqueles que preferem fugir da confusão, com o máximo de conforto, a melhor opção serão os camarotes, que incluem cocktails, snacks e animação com DJ, enquanto os convidados esperam os trios elétricos. As estruturas exclusivas estão espalhadas ao longo dos dois circuitos e permitem que os visitantes tenham uma vista aberta sobre todos os artistas que por ali passam. 

São João, a festa com fogueiras, muita música e comida boa

Despedir-se do Carnaval é sempre um momento melancólico. Afinal, a festa já só vai voltar no ano seguinte. Mas passado alguns meses, em junho, a tristeza é rapidamente transformada em alegria e agitação com a chegada dos festejos de São João.

Esta época tem várias semelhanças com os nossos Santos Populares, mas há também muitas diferenças. A comida e a música focam-se na tradição brasileira, especialmente da região nordeste. Pode encontrar pratos como arroz doce, receitas à base de milho (como canjica doce), entre muitos outros, enquanto dança ao som de hits de forró.

Apesar de as festas mais concorridas acontecerem no interior da Bahia, Salvador não fica de fora. Além das atrações típicas — como as quadrilhas juninas, brincadeiras e gastronomia —, as cidades recebem nomes consagrados do forró e da música popular brasileira para animar os baianos e os turistas em festas públicas e privadas.

Todo o vestuário da dança que foi levado para o Brasil pelos portugueses está carregado de significados. Tal como acontece no Carnaval, a organização aposta tudo na tradição e na cultura, para criar o momento perfeito em que podemos dançar com as pessoas de quem mais gostamos. Muitas roupas são também heranças da colonização europeia, com adaptações feitas pela população brasileira e africana

As roupas femininas estampadas com tecidos sofisticados e maquilhagens fortes eram utilizadas pelas mulheres europeias. No Brasil, os sapatos caros foram substituídos pelas sandálias de pele.

Os festejos estendem-se ao longo do mês de junho e quando chegam ao fim, a melancolia é confortada pelos preparativos das festas que se seguem, pelo sol e pelas praias que conquistam meio mundo.

De seguida, carregue na galeria para conhecer mais sobre as duas super festas no Brasil.

ver galeria
Este artigo foi escrito em parceria com a Turismo da Bahia.

ÚLTIMOS ARTIGOS DA NiT

AGENDA NiT