Viagens

Carhenge: o bizarro tributo a Stonehenge com carros no lugar de rochas

Polémicas, processos judiciais e um homem que fez uma instalação artística para homenagear o pai.
Um monumento à americana.

Por esse mundo fora, os departamentos de turismo, sejam eles de países ou cidades, fazem de tudo para mostrar como os lugares que promovem são perfeitos para toda a gente. Talvez seja esse o primeiro ponto estranho a destacar em Carhenge, o invulgar monumento que nasceu no meio do nada no Nebraska, nos Estados Unidos. O departamento de turismo até tem uma frase oficial para promover o lugar: “Não é para todos”. No entanto, existem coisas ainda mais estranhas nesta história.

Se Carhenge lhe lembra Stonehenge está na pista certa. A misteriosa construção pré-histórica no Reino Unido ainda hoje fascina estudiosos. A sua versão americana é bem mais recente, nasceu em 1987, um tributo de um homem ao falecido pai. É uma réplica de Stonehenge, mas toda feita com carroçarias de carros de modelos americanos das décadas de 50 e 60 do século passado.

Com quase 30 metros de diâmetro, Carhenge é composta por 38 carros velhos pintados de cinzento, sendo que alguns deles estão dispostos em arcos, a lembrar a versão original deste lado do Atlântico. Modelos Ford, Chevrolet e Nash Ambassador estão entre as relíquias ali transformadas.

Carhenge é criação de Jim Reinders, um agricultor tornado artista, natural do Nebraska, que passou algum tempo em Stonehenge fascinado pelo lugar. Quando o pai morreu, em 1982, voltou a casa e do seu luto fez-se criatividade. Os anos seguintes foram passados a recolher modelos de carros e camiões, como dá conta o “Thrillist”.

Afinal, o que raio é isto?

Quando o espaço foi inaugurado, em 1987, a polémica instalou-se. Ali perto, a 1.200 metros de altitude, situa-se a pequena cidade de Alliance. A localidade tem cerca de oito mil habitantes (estava mais perto das 10 mil no início do século XX) e é uma terra em que a única azáfama são os comboios de transporte de carvão que ali passam em direção a fábricas noutros estados.

Uma Stonehenge a motor.

Reinders contou com a ajuda de alguns familiares e num terreno que pertencera ao pai abriu o monumento. Para uma localidade sem nada para ver, a visão de algo assim foi demasiada para muitos. A família Reinders não tinha pedido autorização para esta instalação e houve até pedidos para desmantelar o monumento. Mas houve ali um momento à Fernando Pessoa, das coisas que se estranham e mais tarde se entranham. Após um ano de intensos debates na cidade, Carhenge entranhou-se e bem.

A autarquia acabou por alterar os limites fronteiriços para garantir que Carhenge era sua. Depois, acabaram por assumir a gestão do espaço, o que permitiu incluir novidades como um novo espaço para esculturas mais pequenas mas do mesmo género. Entre as terras áridas do Nebraska esquecido, aquela pilha artística de carros deu frutos: só no ano passado, cerca de 100 mil turistas passaram por ali.

É uma trabalheira chegar a nenhures no Nebraska mas é possível. Há voos de Lisboa para Nova Iorque a partir de 300€ e depois pode voar para aquele estado a partir de 150€, a não ser que queira fazer uma road trip até ao interior dos EUA. Já no Nebraska, siga para a estrada nacional 59, uma daquelas vias que rasga o deserto da América rural. Na zona norte de Alliance tem o desvio para o monumento. Se chegar até aqui, não se preocupe: Carhenge dá para ver a alguma distância.

ÚLTIMOS ARTIGOS DA NiT

NiTfm

AGENDA NiT