viagens

É agora que vai à Islândia: há uma nova rota pelos locais mais secretos e incríveis

São 900 quilómetros de sonho, na primeira rota oficial de sempre do turismo islandês.

Não há praticamente ninguém em Portugal que não queira conhecer a Islândia— ou, se já foi, lá voltar. É a ilha de “A Guerra dos Tronos“ e do gelo, do sol da meia-noite e dos hotéis e bares que são iglus, dos vikings, glaciares e géisers, dos fiordes e vulcões, das falésias e auroras boreais, da Bjork e dos Sigur Ros.

A dúvida muitas vezes saber por onde começar ou o que visitar. O país é relativamente pequeno e fácil de conhecer em poucos dias mas, com tantos locais incríveis para ver, muitos deles pejados de turistas, há quem prefira ter várias opções. E agora há uma nova rota que pode ajudá-lo. 

Chama-se o Caminho da Costa Ártica, tem 900 quilómetros de paisagens idílicas e é a primeira rota oficial do turismo da Islândia. Muitas alternativas existiram antes, com destaque para o Golden Circle, a mais popular e mais utilizada, de 300 quilómetros que passam por três pontos essenciais. Mas esta é, segundo o site de turismo oficial Visit Northen Iceland, a primeira oficial. 

Foi criada numa aventura conjunta de várias entidades regionais, com angariação de fundos e tudo, para apresentar aos turistas uma Islândia mais secreta e escondida, embora igualmente incrível — e para levar mais economia às regiões menos exploradas.

O sucesso foi imediato: aliás, a ainda antes do seu lançamento oficial, a 8 de junho, foi eleita pela “Lonely Planet” como um dos dez melhores destinos na Europa para 2019. A Arctic Coast Way é classificada como o terceiro melhor destino para se visitar este ano, apesar de só ter aberto quando ele já ia a meio.

Na página do turismo islandês explica-se agora que o Caminho da Costa Ártica significa deixar as rotas comuns e o trilho mais batido de lado para descobrir alguns dos lugares mais remotos da Islândia.

Como o nome indica, estes quase mil quilómetros são sempre pela costa norte, “onde a terra vulcânica encontra o oceano gelado” e onde a força da natureza esculpiu um litoral de beleza selvagem e pura. 

A rota inclui seis penínsulas, passa em praias de areia preta e falésias espetaculares, ao longo de rios glaciais e fiordes, montanhas e pequenas cidades “que contam histórias únicas sobre a vida à beira do Ártico”, explica o turismo.

Parte da estrada.

O percurso poderá ser feito de uma só vez ou aos poucos, etapa a etapa. Para aqueles que querem descobrir paisagens intocadas no espírito dos pioneiros, saiba que a rota passa por 21 vilas de pescadores, de Hvammstangi a Bakkafjörður, além do ponto mais setentrional da Islândia e o único local para atravessar o Círculo Ártico. E ainda por dezenas de lugares perfeitos para ver o sol da meia-noite e as auroras boreais, seis ilhas a curtas distâncias de barco, pontos de observação de baleias, focas e pássaros.

Encontra também deslumbrantes caminhadas pela costa e uma ampla seleção de atividades ao ar livre, bem como 18 piscinas geotérmicas, festivais de música e cultura e muito mais.

“O Arctic Coast Way serpenteia entre 21 aldeias e quatro ilhas ao longo da elementar costa norte encantando com as maravilhas naturais pelas quais a Islândia é famosa — cachoeiras ensurdecedoras, colossais geleiras, fumarolas fumegantes — e infinitas oportunidades para desportos de neve, observação da vida selvagem e aventuras no deserto. Em suma, é o melhor da Islândia, menos as multidões”, resume a “Lonely Planet” na sua eleição. 

A Arctic Coast Way.

Fica assim com uma alternativa de visita —  ou complemento — à famosa estrada 1, ou Ring Road, que dá a volta à ilha, o caminho mais fácil e mais feito; e também à tal rota Golden Circle, a mais procurada e composta por três grandes locais: o Parque Nacional Thingvellir, o vale Haukadalur (onde ficam Geysir e Strokkur) e a cascata Gullfoss.

Os voos a partir de Lisboa para a capital Reiquejavique em setembro começam nos 290€, ida e volta. Depois, para fazer esta rota, tem de ir para norte: para chegar a Húsavík pode seguir num voo doméstico (a cidade tem um pequeno aeroporto) ou simplesmente aproveitar o facto de estar num dos países mais bonitos do mundo e, de carro ou autocarro turístico, subir até Húsavík ou Akureyri. São cerca de 380 quilómetros.

Recentemente, a NiT falou-lhe numa nova piscina geotérmica na Islândia que tem de conhecer este verão e que fica precisamente a meio desta nova rota, em Húsavík.

ÚLTIMOS ARTIGOS DA NiT

AGENDA NiT