Viagens

Esta é a única loja de bebidas alcoólicas no Catar — e até vende bacon

Para poder entrar no espaço, é preciso saltar uma série de obstáculos. Tarefa impossível para quem viajou para ver o Mundial.

Os milhares de fãs que desde 20 de novembro começaram a aterrar no Catar para assistir ao Mundial já sabiam que consumir álcool seria uma tarefa complicada. Mais complicada se tornou quando, numa reviravolta inesperada, o país decidiu proibir a venda de cerveja nos estádios.

O cenário desolador para os fãs levou-os a que pudessem apenas socorrer-se da versão sem álcool. A Budweiser, patrocinadora oficial do evento, teve que voltar a guardar nos armazéns milhões de litros da bebida.

Quem está pelo terreno, vai agarrando as poucas alternativas existentes em Doha e arredores. Porém, em todo o Catar, a compra de álcool está dificultada ao máximo — e, por esta altura, há apenas uma loja autorizada de venda de bebidas alcoólicas ao público, nota o jornal “Toronto Star”.

Na Qatar Distribution Company, só entra quem tiver a respetiva autorização. E essa autorização só é dada mediante a confirmação de uma série de requisitos. Desde logo, só podem requerer essa autorização cidadãos do Catar ou, não sendo cidadãos, os que tenham um visto de residência. Têm também de ter pelo menos 21 anos.

Até aqui, tudo bem. Mas o guia da loja, disponível online, vai mais longe na restrição. “O requerente terá que receber um salário base de pelo menos 798€ por mês”, pode ler-se. O valor do salário é importante, porque é através dele que se calcula o limite máximo de quantidade de álcool que se pode comprar. Quanto maior for o salário, mais alto será o limite.

Existem, contudo, algumas exceções, como o que tem ocorrido com jornalistas e outros enviados ao Mundial, que receberam uma autorização especial para poderem concorrer a uma destas licenças de compra de álcool.

Ir à loja é também um processo peculiar. As portas não estão abertas. É preciso fazer uma marcação e, de preferência, fazer algumas compras prévias online, onde é necessário apresentar todos os dados pessoas.

O espaço, no centro de Doha, está protegido com o maior cuidado, atrás de muros com arame farpado que “escondem uma loja perfeitamente normal”. Nas estantes, há um pouco de tudo, da cerveja tradicional a garrafas de vodka que custam pouco mais de 800€.

Os preços são “normais para a realidade ocidental”. Ainda assim, há limites no preço e na quantidade de álcool que se pode levar para casa.

Tudo é feito no maior secretismo. “As compras devem ser levadas diretamente para a residência pessoal e devem ser transportadas de forma oculta”, pode ler-se no guia. O consumo deve acontecer apenas e só em casa.

Além disso, qualquer bebida comprada no local é para consumo próprio. Ditam as regras que a partilha com pessoas que não tenham também elas uma autorização de compra é estritamente ilegal.

No interior da loja encontram-se outros produtos proibidos no resto do País e não são apenas os alcoólicos. Há uma secção de carne de porco, de barriga a costelinhas, passando por fatias de bacon fumado. Em cima, um aviso: apenas para não-muçulmanos.

ÚLTIMOS ARTIGOS DA NiT

AGENDA NiT