Viagens

Esta idílica praia de areia verde é uma das mais raras (e bonitas) do mundo

Só existem quatro areais com esta particularidade. Está esculpida numa rocha em forma de cone, num lugar remoto e isolado.
É mesmo rara.

Já ouvimos falar de areais pretos, cor-de-rosa e até mesmo com cristais que parecem diamantes, mas há um tom ainda mais raro que só é possível encontrar em quatro locais do mundo. Uma das praias de areia verde mais conhecidas (e fotografadas) é a que fica no distrito de Ka’ū, na ilha havaiana conhecida como Papakolea.

Localizada no sul de Big Island, a principal ilha do arquipélago, esta maravilha natural é um dos pontos turísticos mais famosos do Havai, não pelas suas areias verdes vibrantes, como também pela aventura que é para conseguir chegar até lá. A distinta cor deve-se à presença de um mineral chamado olivina (também conhecido como diamante havaiano), que se cristaliza a partir do magma rico em magnésio e pobre em sílica, durante o processo de arrefecimento da lava de um vulcão.

Tudo aconteceu há 49 mil anos, quando o vulcão Mauna Loa entrou em erupção, formando um tufo vulcânico chamado Pu’u Mahana. Como resultado, os cristais verdes do mineral espalharam-se pelo areal e por lá ficaram, criando assim esta raridade geológica com uma tonalidade verde.

Esculpida numa rocha em forma de cone, a praia oferece uma paisagem costeira única, com falésias impressionantes, vegetação e o oceano pacífico como pano de fundo. É um lugar remoto e isolado, aumentando assim a sensação de aventura.

Apesar da cor da água ser convidativa a mergulhos, as ondas ao longo da costa sul costumam ser fortes e não são para qualquer um. Para os que não estão habituados, o melhor será mesmo ficar a relaxar na areia ou tirar fotografias.

Devido à localização remota e falta de instalação, chegar à Papakolea não é propriamente fácil, mas a própria viagem faz parte da aventura e da experiência. Como existem muitos locais com um grande significado cultural perto da praia, não é permitido o acesso a veículos. Também não há passeios oficiais ou transportes públicos nesta área, pelo que é preciso dirigir até ao estacionamento mais próximo, que fica a cerca de 4,5 quilómetros do areal.

Apesar do estacionamento não estar bem sinalizado, é possível deixar o carro no final de uma estrada de terra, onde começará então a caminhada, que deverá demorar cerca de uma hora. O trilho é bastante intuitivo, uma vez que basta descer pelo lado oeste da baía, e o terreno não é particularmente difícil, mas o calor e a falta de proteção do vento e do sol podem ser um verdadeiro desafio.

Para proteger o local, o acesso à praia é restrito e administrado pelo Departamento do Havai, que cobra cerca de 27€ de entrada. Se está a pensar levar areia verde consigo como recordação, o melhor é esquecer essa ideia: a baía é vigiada precisamente para evitar que os turistas levem qualquer lembrança para casa. 

Outra situação que está a preocupar as entidades são os visitantes e moradores que começaram a criar ilegalmente as suas próprias estradas. “Este lugar sagrada e precioso foi explorado por entusiastas off-road, ações impensadas de visitantes e pescadores desportivos, apesar da presença de sepulturas ancestrais e locais sagrados”, sublinhou o Departamento do Havai em 2022.

A única estrada legal para os veículos é a estrada rural até Kaulana Boat Ramp, sendo que qualquer outro caminho é ilegal. No entanto, os moradores frequentemente oferecem passeios até à praia para os visitantes por cerca de 20€, mesmo sendo uma atividade ilegal. “As pessoas são livres para fazer o que quiserem, mas os nossos locais culturais estão a ser estragados. As estradas são criadas onde não deveriam estar e, quando ocorrem grandes chuvas, a água inunda e segue essas estradas, contribuindo para uma erosão mais rápida”, explica o havaiano Noea Kaawa.

A sujidade vai para o oceano, fazendo com que a população de peixes comece a diminuir, uma vez que os recifes de coral, que precisam de água para sobreviver, começam a morrer. “Os humanos precisam de aprender a existir num espaço com protocolos adequados e respeito às nossas paisagens culturais. É preciso fiscalização no local para garantir que haverá consequências às pessoas que não agirem corretamente”, afirmou.

A Papakolea é uma das quatro praias de areia verde do mundo. As outras são a Praia Talofofo, em Guam (território insular dos EUA na Micronésia), Punta Cormorant, nas ilhas Galápagos, e Hornindalsvatnet, na Noruega.

Como lá chegar

O aeroporto mais próximo é o de Kona. Se partir de Lisboa, encontra bilhetes de ida e volta desde 831€. Caso apanhe o avião nos aeroportos do Porto ou Faro, há voos desde 861€ e 881€, respetivamente.

Carregue na galeria para ver mais imagens de uma das praias mais raras do mundo.

ÚLTIMOS ARTIGOS DA NiT

AGENDA NiT