Viagens

EUA passam as 90 milhões de vacinas — e disparam as reservas de viagens para celebrar

Chamam-lhes "vaxications" e há quem nem espere pela segunda dose para se desforrar. Especialistas alertam para os riscos.
A vontade de viajar já se nota.

O novo presidente norte-americano, Joe Biden, tinha prometido: 100 milhões de vacinas nos primeiros 100 dias de mandato. E está bem lançado no objetivo — os Estados Unidos da América passaram este domingo a barreira das 90 milhões de vacinas, com 90.351.750 inoculações contra a Covid-19 já registadas, todas da Moderna e Pfizer (embora a da Janssen já esteja também aprovada).

Segundo a Reuters, 58.873.710 pessoas receberam uma ou mais doses, enquanto 30.686.881 pessoas receberam a segunda dose, de acordo com os dados registados até domingo, dia 7.

Naquele país, os Centros de Controlo e Prevenção de Doenças estão também a bater recordes de administrações diárias de vacinas: 2,9 milhões de inoculações no sábado, um recorde, e 2,4 milhões no domingo. De acordo com a “CNBC” o presidente Joe Biden já afirmou mesmo que os EUA teriam doses de vacina suficientes para cada adulto estar inoculado até o final de maio, dois meses antes do esperado.

Estas informações e noticias já estão a criar uma ligeira euforia, sobretudo no setor das viagens, avançam vários meios locais. Os EUA são o país do mundo mais fustigado pela pandemia: têm mais de 500 mil mortes e mesmo com o pico da terceira vaga a parecer ter passado e com o sucesso da campanha de vacinação, continuam a ter médias diárias de mortes acima das 1500.

Por isso as autoridades dizem que ainda é extremamente cedo para celebrar, desconfinar e baixar guardas, embora alguns Estados já preparem as reaberturas progressivas. Mas mesmo com os alertas, à medida que as famílias, ou os seus membros mais suscetíveis (como os mais idosos) vão sendo vacinados, muitos não resistem a marcar as primeiras viagens de família em meses: a “NBCBoston” fala numa corrida de reservas de viagens a locais como as Bahamas, por exemplo.

Já a “Chicago Business” fala mesmo num boom de viagens de celebração de vacinas: chama-lhes “vaxication”, um trocadilho entre vacina e “vacation”, ou férias, em inglês; e dizem alguns agentes que há quem nem espere pela segunda dose para a viagem pós-vacina, o que muitos especialistas dizem ser arriscado e prematuro.

“Vimos um aumento de 25 por cento nas solicitações de viagens, assim que a primeira rodada de vacinações foi disponibilizada”, disse Leah Smith, presidente da Tafari Travel, de Denver, a este meio. 

Recorde-se que, a propósito dos certificados verdes de vacinas que a União Europeia está a pensar criar para retomar as viagens na Europa, a Organização Mundial de Saúde já avisou: por enquanto, ainda não há certezas sobre a imunidade e transmissibilidade das pessoas vacinadas, pelo que viajar, tendo apenas a vacina tomada como base, não é aconselhável para já.

ÚLTIMOS ARTIGOS DA NiT

AGENDA NiT