Viagens

Governo holandês desaconselha viagens turísticas para Portugal (mesmo aos vacinados)

Executivo local diz que há uma "tendência preocupante nos números de infeções" no nosso País.
Turismo desaconselhado.

O governo holandês retirou Portugal da lista das zonas designadas como “seguras” no âmbito da pandemia de Covid-19. Esta quinta-feira, 15 de julho, foi decidido desaconselhar aos cidadãos holandeses, vacinados ou não vacinados, a realização de viagens turísticas ao território continental português.

Segundo a agência espanhola EFE, citada pela Lusa, a decisão dos Países Baixos entra em vigor na sexta-feira. Além de Portugal, também a Espanha — incluindo as ilhas Canárias e Baleares — e o Chipre passam a estar laranja, ou seja desaconselhados para viagens não essenciais.

“Infelizmente, o conselho do Instituto de Saúde Pública (RIVM) desta semana mostrou que não é um pico temporário: há uma tendência preocupante nos números de infeções nestas regiões”, indicou o Ministério dos Negócios Estrangeiros holandês.

Todos os cidadãos holandeses que se deslocarem para estes destinos necessitam de ter um certificado de vacinação completa há, pelo menos, 14 dias, ou de recuperação da doença Covid-19.

Caso contrário, e para pessoas não vacinadas, é necessário ter um teste negativo à covid-19 —um teste PCR (teste molecular) realizado num período máximo de 72 horas ou um teste rápido de antigénio realizado num período máximo de 48 horas —antes de regressar ao território holandês.

As pessoas que já se encontram nestes destinos devem apresentar os comprovativos quando regressarem aos Países Baixos a partir do próximo domingo, 18 de julho, segundo o ministério dos Negócios Estrangeiros holandês, que esclarece, contudo, que os viajantes não serão submetidos a um período de quarentena no regresso a casa.

A diplomacia holandesa reconhece o “grande impacto” que esta decisão tem junto dos viajantes, argumentando, no entanto, que viajar para o estrangeiro “é e continua a ser um risco” na pandemia.

Na passada segunda-feira, dia 12, o primeiro-ministro holandês, Mark Rutte, admitiu que o governo cometeu um “erro de julgamento” ao relaxar algumas restrições e pediu desculpa, numa altura em que os Países Baixos sofrem um aumento significativo de casos de Covid-19.

O governo tinha autorizado há duas semanas a reabertura de discotecas, mas devido à rápida disseminação da variante Delta do SARS-Cov-2 especialmente entre os jovens, decidiu recuar. Segundo a imprensa internacional, os novos casos nos Países Baixos aumentaram 500 por cento após o levantamento de restrições.

ÚLTIMOS ARTIGOS DA NiT

AGENDA NiT