Viagens

Nova Zelândia: confinamento para dois milhões de pessoas por causa de um caso de Covid-19

O país é conhecido por ter sido um dos que desconfinou de forma mais livre. Agora dá um passo atrás.
A praia vai ter de esperar.

É o país mais invejado nestes tempos de pandemia. Enquanto uma parte significativa da população mundial estava confinada e limitada nos seus movimentos, a Nova Zelândia conseguiu o impensável: chegar aos zero casos da doença e assim desconfinar sem quaisquer restrições. Correram o mundo as imagens de concertos festas e churrascos sem máscaras, distanciamento ou preocupações dos neo-zelandeses nos primeiros dias sem Covid. 

Agora, as celebrações vão ter de ser travadas, pelo menos durante uma semana. O governo local decretou o confinamento da cidade de Auckland por um período de 7 dias, avança o jornal britânico “The Guardian”. A razão para este novo confinamento? A deteção de um único novo caso de infeção por Covid-19.

A decisão de colocar em confinamento cerca de dois milhões de pessoas foi justificada pela primeira-ministra neo-zelandesa, Jacinda Ardem, pelo facto de não ser conhecida a origem deste contágio. Sabe-se apenas que nos dias que antecederam a deteção da infeção, esta pessoa — não identificada — ter frequentado vários eventos em espaços públicos. 

O confinamento vai assim isolar Auckland do resto do país, passando as entradas e saídas a serem “severamente restritas”, sendo que o arquipélago volta também todo a passar para o nível 2 do alerta de saúde, que obriga ao uso de máscara nos transportes públicos e à proibição de aglomeração de mais de 100 pessoas.

O país foi um dos mais bem sucedidos do mundo no combate à Covid-19: com uma população de cerca de cinco milhões, teve pouco mais de 2.200 casos de coronavírus, dos quais apenas 25 pessoas morreram, devido a uma ação sempre firme e imediata

ÚLTIMOS ARTIGOS DA NiT

AGENDA NiT