Viagens

O novo resort de luxo em Moçambique é um pedaço de céu na terra

Chama-se Kisawa Sanctuary, ocupa 300 hectares de floresta e dunas junto ao mar. É ecológico, deslumbrante e resguardado.
É lindo.

Na ilha de Benguerra, em Moçambique, nasceu no final de novembro de 2021 um resort luxuoso e ecológico, enquadrado numa paisagem de sonho. É certo que se promete tornar na nova coqueluche dos viajantes — e já está a despertar a atenção das mais conceituadas revistas internacionais. 

Chama-se Kisawa Sanctuary, um nome logo à partida sugestivo: Kisawa significa, como se explica na página do hotel, “inquebrável”, o que para quem idealizou e ergueu o resort é a pedra basilar do seu compromisso para com a magnífica localização: o de “construir um vínculo entre as pessoas e o lugar, a vida e a terra”.

“Sanctuary”, remete para o espaço, que embora seja uma unidade hoteleira, parece assentar toda a sua existência na tal premissa de equilíbrio, sustentabilidade, até investigação, procurando devolver à ilha tudo o que eventualmente lhe poderá retirar.

Inaugurado no final de 2021, o resort estende-se por cerca de 300 hectares de floresta costeira à beira-mar na Ilha de Benguerra, Moçambique. O alojamento é limitado e por isso exclusivo: consiste em 22 bungalows, criados em 12 residências, algumas na parte mais abrigada junto à floresta, outras literalmente nas dunas, junto ao mar.

Tudo aqui é isolamento e privacidade. Os bungalows acomodam casais, mas existem também numa versão isolada ou dispostos pequenos grupos, para quem viaja com mais pessoas.

Segundo avança a comunicação do espaço à NiT, um bungalow de um quarto inclui uma sala de estar, um quarto king size, dois camarins, uma casa de banho, um espaço de deck ao ar livre, uma piscina infinita privada, uma cozinha exterior e um duche exterior.

Os preços começam nos cinco mil euros por noite por bungalow, para dois adultos, mas incluem ainda uma equipa de serviço personalizado 24 horas por dia, meios sustentáveis de explorar a ilha e acesso a amenities e luxos de topo.

No coração do resort, os hóspedes podem descobrir espaços partilhados dedicados ao relaxamento, jantar e bem-estar, juntamente com um amplo Centro de Bem-Estar Natural. Localizado entre dunas, o centro de bem-estar oferece aos hóspedes tratamentos individuais ou programas personalizados baseados na medicina ayurvédica, em colaboração com o chef particular do hóspede e a equipe Kisawa.

Uma sauna de cúpula japonesa Iyashi usa calor infravermelho suave para promover a cura. Dentro da academia totalmente equipada, os treinadores de Pilates estão disponíveis para uso dos hóspedes sozinhos ou sob orientação profissional.

Conte ainda com uma equipa de serviço dedicada incluindo mordomo privado e chef, serviços complementares de lavandaria e desempacotamento, chegada personalizada e serviço de transfer do Aeroporto de Vilankulo (VNX) para Kisawa via barco, bem como um um tratamento de recuperação 24h de Jet-lag no Centro de Bem-Estar Natural incluindo uma massagem de 90 minutos.

Contempladas estão também todas as experiências culinárias através de cinco restaurantes, dois bares, além de refeições no bungalow; excursões e experiências de Kisawa como a exploração da ilha de Benguerra e a navegação ao pôr-do-sol; desportos aquáticos, incluindo caiaque no mar, remo em pé e snorkeling a partir das praias e recifes.

Uma estreia ousada e sustentável

Trata-se do primeiro projeto de hospitalidade da empreendedora, diretora criativa e filantropa Nina Flohr, que, adianta o espaço, assenta desde a primeira hora a sua abordagem ao artesanato e à ilha no tal conceito de integração: de forma a envolver e criar trabalho para o maior número possível de pessoas de Benguerra e das ilhas vizinhas. O trabalho de tecelões locais, palhaços, carpinteiros e fabricantes de tecidos é exibido no santuário, por exemplo.

Mas há mais: situado a 14 quilómetros de Moçambique, no arquipélago de Bazaruto, a ilha onde se encontra Kisawa é vizinha de um Parque Nacional Marinho onde se encontram alguns dos ecossistemas subtropicais mais ricos do Oceano Índico. Por isso, o resort é ainda “a primeira propriedade a nível mundial a abrir em conjunto com o seu próprio centro de investigação marinha”.

 

O Santuário não só oferece assim aos hóspedes a máxima privacidade ao longo de cinco quilómetros de costa do Oceano Índico, mas permite-lhes apoiar a investigação e conservação marinha, através desta sua propriedade irmã: também projetado por Nina Flohr, o Centro de Estudos Científicos de Bazaruto é ainda o primeiro observatório oceânico permanente de África.

Ao longo dos vários locais culinários do Kisawa, o conceito permanece o mesmo; um compromisso a produtos cultivados no local, a prática de métodos de jardinagem biológica e sazonal, operando uma política de resíduos zero e sem utilização de ingredientes processados.

O resort construiu uma rede de agricultores e produtores que garantem diariamente produtos frescos locais. Os múltiplos locais, incluindo o Principal Terrace, Baracca e dois Mussassas, oferecem uma grande variedade de pratos, com foco em sabores moçambicanos e africanos, incluindo uma gama sempre em mudança de mariscos inspirados em conversas diárias com os pescadores locais.

No conjunto, o Kisawa é “uma celebração de Moçambique, mostrando a sua cultura, artesanato e património através de cada elemento do resort”, adianta a unidade à NiT. O aeroporto mais próximo é Vilankulo (VNX) com voos comerciais a partir de Joanesburgo (JNB) e Maputo (MPT). Viagens privadas também pode ser feitas.

Carregue na galeria para conhecer melhor o novo Kisawa Sanctuary:

 

ÚLTIMOS ARTIGOS DA NiT

AGENDA NiT