Viagens

O Red Light District, em Amesterdão, pode estar a aproximar-se do fim

É Femke Halsema, a primeira mulher à frente da câmara municipal da cidade, que está a levantar a questão.
É aqui que tudo se concentra.

A cidade de Amesterdão, na Holanda, está a levantar a hipótese de fechar o famoso Red Light District. Femke Halsema, antiga líder do partido Verde e a primeira mulher à frente da cidade, pretende com essa medida combater o tráfico humano e reduzir o número de turistas.

“Estes objetivos não são negociáveis”, afirmou Halsema depois de anunciar a proposta. “O tráfico humano acontece na parte mais bonita e antiga da nossa cidade. […] A situação agora (no Red Light District) é de mulheres predominantemente estrangeiras, que não sabemos como vieram cá parar, a serem humilhadas e fotografadas”, acrescentou.

As condições enfrentadas pelas trabalhadoras do sexo são uma das maiores preocupações da presidente do município, que defende que muitas mulheres se sentem humilhadas — “Riem-se delas, muitas vezes chamam-lhes nomes e fotografam-nas contra a sua vontade”, afirma. Mas Femke Halsema também quer acabar com o branqueamento de capitais, as fraudes e criar uma zona “mais calma, limpa e habitável do que agora”.

Esta questão já está a gerar controvérsia na cidade. Um grupo chamado Red Light United formou-se recentemente para contestar a proposta da líder da autarquia, afirmando que “os trabalhadores do sexo são pessoas e merecem um sítio para trabalhar”. Segundo estas pessoas, 90 por cento das 170 mulheres que questionaram quer continuar a trabalhar nas janelas do Red Light District. “Realocar estes lugares de trabalho não é uma opção, porque os clientes não saberiam onde encontrar os trabalhadores do sexo.”

Outras hipóteses levantadas por Halsema — que não implicam fechar o bairro — são, por exemplo, banir as janelas dos bordéis, permitindo que a indústria continue a funcionar, ou fechar partes de algumas ruas, de modo a reduzir o acesso aos turistas.

Femke Halsema
Femke Halsema.

Os debates em torno do possível encerramento do Red Light District vão decorrer durante o verão. Femke Halsema sublinhou que o seu objetivo não será acabar com o direito das mulheres de se envolverem no negócio do sexo na cidade.

O Red Light District é o famoso bairro de prostituição em Amesterdão, na Holanda, onde se concentra uma série de negócios ligados ao sexo, como bordéis, sex shops, clubes de striptease e cinemas dedicados exclusivamente à exibição de filmes pornográficos. Foi escolhido pelas autoridades do país como forma de demarcar uma zona onde a prostituição fosse legal e regulada. 

ÚLTIMOS ARTIGOS DA NiT

NiTfm
Novos talentos

AGENDA NiT