Viagens

SeaPods: as casas flutuantes (e inteligentes) que estão a nascer no meio do mar

Trata-se de um projeto da Ocean Builders e deverá estar concluído em 2024 — mas já é possível reservar uma noite.
Um projeto futurista.

Já imaginou como seria dormir dois metros acima do mar, não num barco, mas dentro de uma casa? Parece um sonho, mas na verdade está prestes a tornar-se real — e estará a ajudar o ambiente ao mesmo tempo. A responsável por este projeto único é a Ocean Builders, uma empresa especializada em tecnologia marinha inovadora com sede no Panamá.

Esqueça as pitorescas palafitas (casas de madeira construídas sobre a água): os alojamentos flutuantes propostos pelo Ocean Builders também têm aquela magia que só pode ser sentida no meio do mar, mas são muito mais sofisticados. Batizadas como SeaPods e desenhadas pelo arquiteto Koen Olthuis, estas cápsulas foram pensadas para quem procura uma vida tranquila (ainda que não seja em terra) e sustentável e em contacto com a natureza.

“O software do Pod pode ser atualizado remotamente e os novos sensores podem ser facilmente trocados. Será como um telemóvel, no qual se poderá instalar novas aplicações que estão em constante desenvolvimento”, explica a Ocean Builders à “Condé Nast Traveler”.

Com um design clean e futurista, estas casas modulares no meio do oceano vão ser construídas com materiais de alta qualidade e enormes janelas com vistas para o mar. Cada SeaPod terá 77 metros quadrados distribuídos em três níveis: o quarto principal com vista panorâmica; uma sala de estar que pode ser configurada como um espaço para receber hóspedes; e a cozinha e a casa de banho, que inclui um jacuzzi com capacidade para quatro pessoas.

Graças à tecnologia não será necessária uma chave para abrir a porta: basta um anel no dedo que, além de permitir entrar dentro de casa, irá ativar o chuveiro ou a banheira na temperatura que quiser, colocar música e acender ou apagar as luzes.

A Ocean Builder promete ainda que os chuveiros serão um dos grandes destaques dos SeaPods, até porque terão vistas infinitas do oceano. Além disso, conseguiram arranjar uma forma de implementar um sistema que reduz o consumo de água em 90 por cento.

Para não prejudicar o meio ambiente, estas casas vão flutuar, tal como um iceberg, recorrendo a tubos de aço cheios de ar. É assim que consegue permanecer três metros acima da água, por isso não tem de se preocupar com a possibilidade de enjoar — ali não se vão sentir as ondas. E, segundo os criadores, em caso de tsunami estará muito mais seguro dentro destes SeaPods do que numa casa perto da costa.

Na verdade, quase nem vai precisar de sair de casa. Com esta criação inovadora, o lixo será recolhido por um veículo aquático e irá receber produtos do dia-a-dia, como comida, através de drones.

Após vários anos de pesquisas e testes, o projeto está muito perto de se tornar realidade. Segundo a Ocean Builder, as primeiras casas flutuantes devem ser instaladas no oceano em 2024, a poucos metros da Linton Bay Marina, no Panamá. Contudo, já é possível comprar ou reservar uma no site do empreendimento. Para quem quer apenas ficar hospedado, uma noite custa 598€. Caso esteja interessado em comprar uma destas casas, terá de investir 397 mil euros.

De seguida, carregue na galeria para descobrir como serão estas casas flutuantes e inteligentes.

ver galeria

ÚLTIMOS ARTIGOS DA NiT

AGENDA NiT