Viagens

Tribunal francês proibiu a utilização de burquínis nas piscinas de Grenoble

A justiça voltou atrás na decisão por considerar que a peça que cobre o corpo e a cabeça afeta o tratamento igualitário.
Os burquínis são trajes de banho de corpo inteiro.

Este verão, já não será possível usar burquínis nas piscinas públicas de Grenoble, cidade no leste de França. Estes trajes de banho completos, que cobrem a cabeça e o corpo são usados por algumas mulheres muçulmanas, cumprindo a tradição religiosa de se vestirem de forma modesta.

A justiça francesa confirmou na terça-feira, 21 de junho, a proibição destes trajes de banho nas piscinas municipais da cidade por comprometerem “a neutralidade do serviço público”, refere a “CNN Portugal”. Esta decisão trata-se de uma anulação de uma outra que permitia o uso deste tipo de fato de banho. Após uma série de protestos por parte das mulheres muçulmanas locais, a cidade de Grenoble ia permitir a utilização destes trajes de banho nas piscinas públicas a partir de 1 de junho. 

Porém, o tribunal voltou atrás na decisão por considerar que o uso de burquínis prejudicaria o tratamento igualitário dos utilizadores. A justiça francesa considerou agora que essa utilização seria uma “violação da regra geral que obriga a utilização de uma indumentária justa ao corpo [nas piscinas] para permitir que certos utilizadores ignorassem essa regra com uma finalidade religiosa”.

“Contrariamente ao objetivo reivindicado pela cidade de Grenoble, a decisão inicial desta de autorizar o burquíni visava apenas satisfazer uma exigência de cariz religioso”, justificou o tribunal francês.

Em 2004, o governo francês proibiu os símbolos religiosos que pudessem ser visíveis, como os lenços muçulmanos, os quipás judaicaos, os crucifixos cristãos em instituições como escolas, ou os niqab — véus que cobrem o rosto e só mostram os olhos — em todos os espaços públicos em França. As mulheres muçulmanas a viver no país que usem este tipo de vestuário têm, por isso, muitas dificuldades a aceder aos serviços estatais devido a estas proibições. 

ÚLTIMOS ARTIGOS DA NiT

AGENDA NiT