Viagens

Fomos ao Winter Wonderland de Londres — e é uma viagem que vale (mesmo) a pena

3,5 milhões de pessoas vão ao evento gigante de Hyde Park. Se ainda quiser ir este ano, explicamos-lhe como (e porquê).
O espaço é monumental.

À chegada ao aeroporto de Heathrow, em Londres, um funcionário dos serviços alfandegários perguntou-me qual o motivo da viagem. Já a ficar nervosa — fico sempre nervosa com estas coisas, mesmo sem ter nada a temer — respondi para fazer conversa: “viemos ao Winter Wonderland”.

A cara do responsável, até ali fechada com toda uma postura de rigor (até confirmou com o meu filho de 4 anos se o seu nome era mesmo o do cartão, o que se entende com o estado de alerta da cidade), abriu-se num sorriso inesperado: “ah pois, claro. Toda a gente vem ao Winter Wonderland. Até pessoas de Munique, onde há mercados incríveis, vêm ao Winter Wonderland”.

Não era 100 por cento verdade o que eu lhe dissera, confesso, quando afirmei que ia a Londres pelo parque temático natalício de Hyde Park. Só em parte: marcámos a viagem para cumprir o sonho antigo de mostrar aos miúdos o quão incrivelmente mágica é a capital britânica na altura do Natal, com as suas decorações, os cânticos por todo o lado, as compras e os mercados de South Bank, junto ao Tate. Mas é claro que o Winter Wonderland estava nos nossos planos.

Já tinha visitado o parque com o meu marido várias vezes, mas esta foi a primeira vez com os miúdos. E é impressionante como agora descobrimos aquilo de outra maneira, como todo o espaço pareceu maior e diferente, mais mágico do que nunca. Porque o vimos pelos olhos deles.

De há anos para cá, este é um dos maiores eventos natalícios de todo o mundo. Parece incrível, mas o parque só tem 12 anos: foi inaugurado no Natal de 2007, e a sua principal atração inicial era um mercado de compras, com barraquinhas de madeira iluminadas, artesanato, comida e músicas de Natal a sair de colunas. 

De ano para ano o espaço foi crescendo: em todas as edições há novidades, novas empresas, mais atrações a participar. E agora a parte do mercado de Natal ainda existe mas é literalmente o espaço mais ínfimo, ainda que encantador, do espaço.

Uma das diversões (foto: Nuno Andrade).

Hoje em dia, o Hyde Park Winter Wonderland é mesmo uma gigante Feira Popular de Natal, misturada com compras, comida, fogueiras ao ar livre, bares temáticos, pistas e escorregas de gelo, de tudo um pouco. É um mundo mágico — não perfeito, também há frio, algumas filas e chuva — mas para quem gosta do Natal é imperdível. Já o acháramos antes; este ano, lá está, com os miúdos, ainda mais.

O melhor do evento é que a entrada é gratuita. Se há algumas filas para chegar ao recinto, são apenas motivadas pelo apertado controle de segurança e revista de malas e sacos, que nos pareceu, por motivos óbvios, mais apertado do que nunca este ano. Mesmo assim, como em tudo, se for cedo e à semana, consegue entrar facilmente em menos de 10 minutos.

Uma vez lá dentro, parece que regressámos basicamente à Feira Popular de Lisboa, em modo atualizado, mais gigante e natalício. Há comboios fantasma e casas de terror, há bancas de acertar em peluches para o ganhar e similares. Há carrosséis, loops e daqueles equipamentos que literalmente abanam as pessoas de um lado para o outro como se as chocalhassem e eu nem consigo ver.

a maior pista de gelo ao ar livre do Reino Unido e, mesmo a sério: há um circo no recinto. Há também uma roda gigante, com uma vista impressionante.

Encontra ainda uma gruta do Pai Natal e o Dr. Archibald Master of Time, um enorme passeio com realidade virtual. E claro, a Munich Loop: é só a maior montanha-russa portátil do mundo, com cinco loops verticais. Há também um reino mágico com construções de neve, espetáculos de entretenimento, bares de gelo e muito mais: as opções para comer e beber são imensas, mais de 200 no total.

Encontra por exemplo toda uma Aldeia dedicada à Baviera, uma espécie de Oktoberfest dentro da festa, com direito à figura gigante de lenhador, cervejas e as famosas bratwursts locais.

Se a entrada é livre, a maioria das diversões são pagas, mas os preços não são abusivos: começam nas 7 libras. Desde o ano passado há sistemas de conctactless para evitar filas e espaços onde compra fichas para algumas diversões — e tudo parece correr bem.

Se estiver em modo poupança, consegue facilmente passar um dia inteiro por lá sem sequer usufruir de uma diversão paga. Tem de gastar com a comida, claro, que custa basicamente o mesmo do que nas ruas de Londres; mas entre a decoração dos espaços e bares (uns com bonecos de animais do Zoo em vez de bancos, outros feitos de gelo etc), entre os pontos de repouso e os passeios para observar as ofertas de diversão, há mesmo muito com que se entreter.

View this post on Instagram

Sliding into the best month of the year…❤️

A post shared by Winter Wonderland (@hydeparkwinterwonderland) on

Segundo o “Daily Mail“, espera-se que mais de 3,5 milhões de pessoas passem pelos portões do Winter Wonderland entre novembro e 5 janeiro, quando o evento encerra por mais um ano.

Reza a história que, ainda antes da abertura do tal mercado de Natal em 2007, houve uma tentativa falhada de ali criar um parque de diversões em 2006, mas basicamente quase ninguém apareceu. Em 2007, a gestora do parque convidou duas empresas organizadoras de eventos, a AEG Live e a PWR e o resto é história: mais de 15 milhões de pessoas já por lá passaram desde então.

O parque está aberto todos os dias das 10 às 22 horas, exceto no dia de Natal. A entrada principal fica perto do Marble Arch, na esquina com a Oxford Street, mas para evitar filas o melhor é descer e entrar pela Aldeia da Baviera.

Para visitar o Winter Wonderland este ano ainda consegue voos, entre 28 e 31 de dezembro aproveitando o período de férias, por valores a partir dos 92€, ida e volta. E há quartos nessa altura a partir dos 50€ por noite.

View this post on Instagram

Hyde Park sunsets never disappoint. 💛✨

A post shared by Winter Wonderland (@hydeparkwinterwonderland) on

ÚLTIMOS ARTIGOS DA NiT

AGENDA NiT