NiTtravel

O luxuoso “paraíso rosa” em Palm Beach que inspirou a nova série da Apple

A nova série conta com Kristen Wiig e Ricky Martin como protagonistas retrata uma das "colónias" mais icónicas dos EUA.
É um dos hotéis mais icónicos de Palm Beach.

Em 1969, os EUA viviam num clima de barril de pólvora. Nixon tinha acabado de chegar à Casa Branca, os protestos contra a guerra do Vietname estavam ao rubro e o Woodstock era o acontecimento que ninguém queria perder. Contudo, a efervescência social e política que varria o país de uma costa a outra mantinha-se ao largo de uma bolha societal e cultural chamada Palm Beach. Ou, pelo menos, é assim que esse ano é retratado em “Palm Royale”, série que estreou a 21 de março na Apple TV+.

Situada no condado de Palm Beach, no estado da Flórida, a cidade foi erguida numa espécie de península que forma uma barreira costeira entre o Oceano Atlântico e o lago Worth. Apesar de não ser uma ilha geograficamente falando, é conhecida como um dos refúgios favoritos dos ricos e famosos, pelas praias repletas de espreguiçadeiras, pelas mansões e também pelo glamour dos seus clubes exclusivos.

A narrativa acompanha Maxine Simmons (interpretada por Kristen Wiig), antiga rainha de concursos de beleza que está determinada a integrar a alta sociedade de Palm Beach e que fará de tudo para ser aceite no exclusivo Palm Royale Country Club — incluindo enfrentar Robert (Ricky Martin, que se estreia na representação), veterano de guerra e um dos vigilantes do clube. 

Embora seja ambientada na famosa cidade da Flórida, a série foi filmada em Los Angeles, em cenários inspirados em locais reais, explicou o designer de produção Jon Carlos à “Condé Nast Traveller”.

“O country club é uma amálgama de sítios que existem em Palm Beach, como o The Breakers, o The Everglades Club, o The Bath & Tennis Club – mas precisávamos criar uma versão fictícia para a nossa história”, revelou à publicação.

Nos cenários repletos de “palmeiras, guarda-sóis com franjas e uma paleta de cores onde se destacam o abacate, o amarelo canário e o rosa chiclete”, há um spot específico do Palm Royale Country Club que se destaca pela semelhança com o original.

A nossa piscina é muito parecida com a do The Colony, muito feminina e rosa”, reconhece Jon. “Historicamente, o hotel sempre realizou desfiles de moda à beira da piscina — muitos deles ficaram imortalizados nas imagens captadas por Slim Aarons [fotógrafo que se tornou conhecido por retratar os circuitos da socialite norte-americana nos anos 60 e 70, em cuja estética a série se inspira] — e conseguimos perceber a preponderância que a moda tinha naquele espaço.”

Anunciado como “o primeiro hotel do pós-guerra em Palm Beach”, o The Colony foi construído pela Golf View Hotel Inc. e abriu portas em 1947. É um dos empreendimentos mais icónicos e luxuosos da cidade e fica situado na Worth Avenue, a cerca de três minutos da praia. Em 2022, no 75.º aniversário da sua inauguração, foi alvo de uma remodelação profunda.

O “paraíso cor de rosa” de Palm Beach, como também é conhecido, é considerado uma “joia do estilo colonial britânico” (daí o nome) e sempre foi frequentado por figuras proeminentes, da realeza à política, passando pelo mundo das artes. A vasta lista de hóspedes célebres inclui o Marajá de Jodhpur, o Xá da Pérsia, o antigo presidente dos EUA, John F. Kennedy, os duques de Windsor, Judy Garland, Frank Sinatra, Lena Horne, Sophia Loren ou John Lennon. Já Gwyneth Paltrow e Matt Dylon são duas das celebridades que se tornaram clientes regulares mais recentemente.

The Colony Hotel
Os duques de Windsor eram clientes regulares.

Ao longo dos anos, o empreendimento mudou de mãos por diversas vezes, tendo sido comprado em 2016 pelos atuais proprietários, Sarah e Andrew Wetenhall. A aquisição representou o retomar de um negócio familiar, uma vez que o pai de Andrew, Robert C. Wetenhall, já havia sido co-proprietário do hotel nos anos 70.

Em 2017, o casal deu início a um ambicioso projeto de renovação do The Colony, mantendo o design lúdico que remonta à era Tiki, onde se destacam os móveis de vime e os murais pintados à mão repletos de animais. Um dos protagonistas destas pinturas é a mascote do espaço, Johnnie Brown — o macaco de estimação do famoso arquitecto Addison Mizner, que projetou grande parte dos edifícios de Palm Beach.

O lobby, conhecido como Sala de Estar, é um dos pontos nevrálgicos do empreendimento. Ali, os hóspedes são recebidos com “uma ou duas taças de rosé ou champanhe e uma garrafa de Evian gelada” e os visitantes ocasionais podem tomar uma bebida ao final da tarde, ou jogar uma partida de bingo, gamão ou Trivial Pursuit.

Cada um dos 89 alojamentos (14 deles suites) da histórica propriedade apresenta um design personalizado, onde sobressai a atenção ao detalhe. “Os nossos quartos são fiéis à estética retro, ao chame vintage e ao caráter único do The Colony. Embora não sejam muito espaçosos, têm algo espetacular em todos os recantos”, descrevem no site.

A família Wettenhall, os atuais proprietários.

O hotel boutique de quatro estrelas e um total de cinco pisos, inclui duas piscinas exteriores aquecidas, zona onde se encontra o restaurante Swifty’s — um dos “spots para ver e ser visto em Palm Beach”, famoso pelos serões de música ao vivo.

Já o Pink Paradise Café, uma coffee house ao estilo europeu, oferece uma experiência premium onde são servidas refeições ligeiras, como saladas, sanduíches e sopas.

O empreendimento dispõe também de quatro salas de reuniões e de um recém-inaugurado espaço comercial pop-up, o The Colony Edit, projetado pela Dolce & Gabbana, que ficará responsável pela curadoria até 2025. Os quartos contam com produtos de beleza e banho luxuosos, bem como secadores e placas térmicas Dyson.

O leque de atividades disponíveis inclui passeios numa das bicicletas cor de rosa e verdes do hotel, treinos sazonais exclusivos com gurus do fitness como Isaac Boots ou Tracy Anderson. Um dos fatores distintivos do The Colony é o serviço personalizado, que inclui deslocações nos icónicos Beach Buggy e Beach Runner, um carrinho de golfe e um Land Rover Defender vintage, ambos cor de rosa chiclete (claro), e que não passam despercebidos nas ruas de Palm Beach; bem como o mordomo de praia à disposição (que entrega luxuosos kits de piquenique, que incluem guardanapos de pano, talheres e louça e mini frigoríficos com petiscos gourmet).

Os preços da estadia começam nos 880€ por noite, num quarto standard, para dois adultos e sem refeições incluídas. As reservas (mínimo duas noites) podem ser feitas online.

Carregue na galeria para ver mais imagens deste luxuoso “paraíso rosa” em Palm Beach. 

ver galeria

ÚLTIMOS ARTIGOS DA NiT