NiTtravel

O maior vulcão ativo dos Estados Unidos é um spot incrível mas pode entrar em erupção

Fica no Parque Nacional do Monte Rainier e atrai dois milhões de visitantes por ano. Contudo, já foi palco de tragédias.
As visitas ao parque podem ser feitas de carro, mota ou a pé.

O Monte Rainier, também conhecido com Tahoma, é o maior vulcão (estratovulcão) ativo da América do norte. Localizado no Parque Nacional de Monte Rainier, fica a 95 quilómetros para sudoeste da cidade de Seattle. Com uma elevação de 4.395 metros acima das águas do mar é a montanha mais alta de Washington. Caracterizada por uma bela paisagem, existe a possibilidade de observar a montanha a partir de uma distância relativa e os mais corajosos podem até escalar a mesma.

Apesar da sua beleza, o vulcão está na lista dos “16 vulcões da década”. Tal facto significa que existe uma grande necessidade de investigá-lo para apurar os perigos que representa no presente. Devido à probabilidade alta de erupção é estimado que, caso esse fenómeno acontecesse, resultaria na perda de vidas e de propriedade. O seu topo é composto por uma grande quantidade de gelo glaciário que proporciona ao Monte a produção de lahars — lama composta de materiais piroclásticos e água — podendo levar a uma grande avalanche que pode contaminar o vale do rio Puyallup.

É sabido que cerca de 80 mil pessoas e as suas casas estão em risco nas zonas de perigo que possam ser afetadas por este fenómeno do Monte Rainier. Entre 1950 e 2018, 439 mil aficionados por escalada embarcaram numa viagem até ao cume da montanha. Infelizmente, devido a acidentes de montanhismo durante esses anos morreram 84 pessoas.

Nos dias em que o tempo está descoberto, a montanha domina a maior parte do horizonte da área metropolitana de Seattle. Nos dias de excecional claridade ocupa também o pano visual dos habitantes de estados como Corvallis, Oregon, Victoria e da Colúmbia Britânica.

O Monte Rainier, apesar de ser um vulcão ativo, tem ainda outras especificidades incríveis. Está repleto de inúmeras galerias no seu interior que alimentam seis rios de grande porte. O calor geotérmico produzido pelo mesmo, mantém as áreas mais perto do solo livres de neve e gelo. Este elemento paisagístico formou também, através de fenómenos naturais, a maior rede de cavernas e galerias vulcânicas que percorrem um caminho de 3,2 quilómetros.

Os fãs de montanhismo podem subir à montanha, se tiverem as habilidades de escalada para tal. Quem preferir observar o grande monte, pode percorrer vários trilhos que circundam Rainier. Uma das hipóteses que o parque lhe oferece é o caminho Wonderland, com 150 quilómetros de distância e que circunda o Monte Rainier. Nesse percurso é possível entrar em contacto com uma vasta gama de biodiversidade. Poderá encontrar ursos-negros ou pumas e passará por planícies, florestas, vales e áreas alpinas.

Como mencionado anteriormente, o vulcão ainda está ativo e, por isso, existe sempre o perigo de entrar em erupção, embora esteja sob controlo. Contudo, isto não acontece há mais de um século, sendo que os registos das mais recentes erupções datam de 1820 a 1854.  A forma que os responsáveis encontraram para monitorizar este possível acontecimento foi posicionar de forma estratégica alguns monitores sísmicos no Parque Nacional Mount Rainier e na própria montanha. Uma erupção seria um evento demasiado trágico, pois as áreas residenciais à volta do monte seriam severamente afetadas devido à quantidade de cinzas que poderiam sair do vulcão.

Ao estar inserido num dos Parques Nacionais dos Estados Unidos da América, visitar o Monte Rainier significa ter uma experiência completa repleta de outras atividades que lá poderá encontrar. Saiba que o local está aberto durante todo o ano 24 horas por dia. Entre julho e agosto existe uma maior afluência de turistas, devido ao bom tempo e às paisagens que ficam repletas de plantas a florescer. Se visitar o Parque no verão, é preferível ir durante a semana. Entrar antes das 10 horas ou depois das 14h30 é recomendado.

Pode aceder a este destino de carro, que é o meio de transporte preferencial. Para isso e, se desejar viajar no inverno, saiba que entre 1 de novembro e 1 de maio é obrigatório que todos os carros andem com correntes para os pneus, independentemente da temperatura que estiver.

Existem várias entradas para o Parque, mas no inverno só a de Nisqually estará aberta e disponível para os turistas que tencionem entrar de carro dentro da área. Carbon River também é uma opção na estação fria, mas existe um momento em que a estrada ficará limitada a peões e bicicletas.

De Seattle, uma das cidades mais próximas do local, a viagem de carro demora aproximadamente duas horas. Contudo, poderá ficar hospedado dentro do Parque, para facilitar a deslocação. Os dois hotéis que lhe são oferecidos chamam-se Paradise Inn e National Park Inn. Também existe um parque de campismo. O aeroporto mais próximo é o de Sea-Tac no qual poderá alugar um veículo.

O preço de entrada é de 30€ por carro (até 15 passageiros) e o bilhete é válido por uma semana. As entradas para quem decida ir a pé só são 15€. Para os turistas que vão de mota custa 25€. Quem decida fazer campismo no Parque, o valor é de 20€ e os grupos 60€. Os passes podem ser comprados online, antecipadamente, ou mesmo dentro do complexo. Em certos feriados nacionais, como é o dia 17 de janeiro, 16 de abril, 4 de agosto, 24 de setembro ou 11 de novembro, a entrada é gratuita.

Devido à grandiosidade do Parque Nacional é melhor ir de automóvel. O caminho que terá de percorrer é chamado de Paradise e é a área mais famosa do Parque. Existem várias opções de trilhos, sendo que, se quiser passar apenas um dia a visitar o local deve escolher o Myrtle Falls Trail, que é um percurso muito acessível de uma hora. Esta bela opção passa entre campos cheios de flores roxas com o Monte Rainier sempre no plano de fundo.

Caso seja adepto de caminhadas pela montanha, pode optar pelos trilhos que vão mesmo até quase ao topo do Monte, mas é necessário seguir algumas regras de precaução que são mencionadas no site. Se esta for a sua escolha, deve levar calçado e roupa adequada e ter em conta que o tempo muda bastante facilmente portanto deve ir agasalhado. Não se esqueça também da água e de alguns snacks para ir comendo pelo caminho.

De seguida para ficar a conhecer melhor o Parque Nacional e o Monte Rainier, carregue na galeria.

ver galeria

ÚLTIMOS ARTIGOS DA NiT