NiTtravel

Os improváveis vulcões de lama que fazem bem à pele e onde pode mergulhar

Estas piscinas em Baku são uma das maiores atrações turísticas do Azerbaijão. São uma espécie de spa ao ar livre.
Um cenário diferente.

O Azerbaijão concentra a maioria dos vulcões de lama do mundo que formam uma paisagem que pode ser descrita como sinuosa, confusa, borbulhante e, por vezes, explosiva. Estes pequenos montes geotérmicos localizam-se muito perto de Baku, a capital do país, e acredita-se que existam quase 400 deste tipo que, embora nunca atinjam o tamanho de um normal, chegam a medir cerca de dez quilómetros de diâmetro e 700 de altura.

Os vulcões de lama não são realmente vulcões, mas recebem este nome devido à sua semelhança com o tipo de lava derretida. Estes vêm em todas as formas e tamanhos, sendo que o mais natural é serem de uma proporção pequena. Como não têm lava, raramente entram em erupção, pelo que é seguro chegar perto e até tomar banho.

Contudo, os gases do seu interior como é o caso do metano e do dióxido de carbono, são libertados das profundezas da terra e fazem com que os vulcões de Gobustan borbulhem constantemente, libertando um género de magma composta por lama húmida que pinta o solo de cores cinzentas e pretas.

Este fenómeno acontece quando o movimento tectónico permite que os gases subterrâneos escapem para a superfície. Alguns deles levam a que as crateras estejam a pegar fogo constantemente, lançando pequenas chamas para o ar. Alguns cientistas acreditam que essas labaredas estão fortemente ligadas ao surgimento do zoroastrismo — uma religião da antiga Pérsia, baseada na dualidade entre o bom e o mau —, que apareceu no Azerbaijão há dois mil anos.

Esta cadeia de pequenas piscinas de lama encontra-se, mais especificamente, no parque nacional de Gobustan que alberga grande parte da paisagem composta pelas montanhas do Cáucaso. Em 2007 Gobustan foi declarado património mundial pela UNESCO pelo seu património natural.

As explosões de lama começaram a acontecer em 2001 e foram tão grandes que era possível serem vistas a 15 quilómetros de distância do local e tão fortes que continuaram a arder passado três dias. Deu-se um fenómeno incrível composto pela erupção de lama, em vez do normal magma. Estes vulcões formam-se em lugares onde o gás subterrâneo consegue encontrar zonas no solo que abram caminho até à superfície. Como são compostos por lama, a sua substância é muitas vezes fria em vez de quente, como a lava dos vulcões normais.

Embora a sua erupção seja um fenómeno pouco frequente, a cada 20 anos, um destes vulcões entra em ignição debaixo da terra e criará uma explosão massiva. Não são especialmente perigosos, porque estão afastados da maioria dos centros das cidades, mas acredita-se que 2 mil ovelhas e seis pastores foram mortos pelo vulcão de lama de Bozdagh, no Azerbaijão.

Explorar esta paisagem insólita é muito divertido, parece saída da superfície de Marte ou outro planeta do nosso sistema solar. Uma paisagem como a do parque nacional de Gobustan é um vislumbre quase do final do mundo. No local existem outras atrações como os petróglifos, que são desenhos simbólicos e figurativos feitos por humanos em rocha exposta. Existe um museu com arte interativa, que explica a história desta arte rupestre.

E sim, é possível tomar banho nos vulcões de lama. Tratam-se de maravilhosos fenómenos naturais que se encontram a poucos metros do museu de Gobustan, pelo que os turistas que visitam este museu aproveitam também para tomar os seus banhos. Quando o verão chega e o tempo fica mais quente, ter banhos de lama com cerveja e alguns petiscos é a atividade favorita dos turistas. Há, inclusive, um lado de água salgada perto do local que serve para os banhistas retirarem a lama do seu corpo.

Tal como os pulmões, a nossa pele precisa de respirar. O ar composto por poeiras da cidade faz com que a pele seja privada de oxigénio, envelhecendo mais rápido. Os banhos de lama ajudam a abrir os poros entupidos do corpo e a absorver os minerais de que a pele necessita.

Além disso, a lama com compostos vulcânicos contém múltiplas vitaminas e antibióticos naturais que ajudam na regulação do sistema imunitário. Tem efeitos tão benéficos como a cura da dor, aceleração da circulação sanguínea, relaxamento muscular, limpeza da pele e renovação das células e, devido aos seus compostos antioxidantes, previne o envelhecimento da mesma.

Depois dos banhos, os turistas são aconselhados a mergulhar no lago que se encontra perto dos vulcões, ou quando chegarem a casa tomarem um banho gelado para retirar os restos de lama. É comprovado que a qualidade do sono também aumenta após mergulhar nestes poços lamacentos. Não é recomendado o uso de sabão depois do banho, para que os compostos naturais façam efeito.

Conhecer Gobustan é uma das coisas que deveria estar na sua bucket list. Visitar o museu que remonta à época da pré-história, caminhar por um solo irregular com vulcões de lama fria de cores cinzentas e pretas irá arrepiá-lo e a opção de poder mergulhar nestas piscinas naturais irá levar a sua experiência para outro patamar.

Existem pacotes que incluem a visita ao museu e à paisagem inóspita que irá visitar acompanhado de um guia e de um pequeno grupo. Poderá observar os vulcões de lama, tomar banho e acabar esta experiência com cerveja e alguns snacks. Na viagem de volta passará por elementos incríveis de arquitetura religiosa, como a mesquita de Bibiheybat.

A tour demora seis horas e tem como destino final Baku. Para se registar nestas visitas guiadas deve contactar o +994 12 564-79-23. O preço por pessoa é de 116€, mas se for num grupo de 15 pessoas pagará apenas 19€, com tudo incluído. A companhia Bag Baku realiza tours de grupo e também tours privadas, que vão dos 50€ aos 80€.

Embora os vulcões de lama estejam numa zona escondida tem sempre a opção de embarcar nesta aventura de transportes públicos. Se apanhar o autocarro número 125 em direção à Praça Azneft terá de sair no centro comercial Karvansaray, que levará meia hora e tem o custo de 40 cêntimos. Depois, é só atravessar a rua e apanhar o autocarro 195 que demora 45 minutos e custa 1,30€ e chegará à casa cultural de Gobustan. Para a estadia é recomendável ficar na capital, pois não existem muitas opções em Gobustan e as ligações são bastante boas.

Carregue na galeria para ficar a conhecer melhor este fenómeno natural incrível.

ver galeria

ÚLTIMOS ARTIGOS DA NiT