opinião

“The Slow Rush”: o longo bocejo dos Tame Impala

Os melhores momentos de "The Slow Rush" são memórias de pontos altos de álbuns anteriores. Quem o diz é o crítico de música e cronista da NiT, Nuno Bento.
Há um novo disco para ouvir.

Kevin Parker disse recentemente que terminar um álbum era o seu maior martírio. Ao ouvir “The Slow Rush”, percebe-se porquê. Deve ser aborrecido ter que mascarar a falta de ideias com camadas e camadas de pós-produção. Longe vão os tempos em que os Tame Impala apresentavam uma sonoridade entusiasmante e acima de tudo, ideias.

Em “The Slow Rush”, tudo parece ter saído da mesma fórmula: pôr um beat, enfeitar a faixa com uma barragem de efeitos sonoros e distorções canalizadas pelos seus sintetizadores. Melodias? É preciso uma lupa para encontrar uma fundação que agarre as canções.

Quando Kevin Parker mudou o rumo dos Tame Impala em “Currents” (2015) para uma sonoridade mais orientada para a dança, percebeu-se que isso se deu a uma explosão criativa e ao esgotamento da fonte de onde vieram “Innerspeaker” e “Lonerism” (ainda a obra-prima de Kevin Parker). Kevin queria os beats e apareceu munido de pérolas Pop como “The Less I Know The Better”, “Cause I’m A Man”, ou até a amálgama de ideias que resultou no épico “Let It Happen”. Isto? Isto não é nada. A não ser um grande bocejo de falta de ideias. Se eu quiser ouvir beats aborrecidos que não vão a lado nenhum, ponho na Orbital.

As coisas melhoram um bocadinho lá para o fim. Salvam-se “Tomorrow’s Dust”, “Lost In Yesterday” e “Is It True”, como temas que poderiam constituir um “Currents Parte 2”. Mas só isso. E a crua verdade é esta: os melhores momentos de “The Slow Rush” são memórias de highlights de álbuns anteriores. Não há nada de novo para ouvir aqui. O álbum lida com os desafios do tempo; mas 5 anos não chegaram para Kevin Parker criar algo de novo, ou sequer interessante.

A capa é o melhor do álbum. Lamento.

Formulaico e aborrecido. Suponho que os fãs hardcore dos Tame Impala possam tirar alguma satisfação disto, só pelo prazer de voltar a ouvir música de Kevin Parker. Não vão é ouvir grande coisa. Consta que Kevin Parker perdeu os seus instrumentos no incêndio de Malibu em 2018. Ao ouvir “The Slow Rush”, parece que queimou as ideias também.

ÚLTIMOS ARTIGOS DA NiT

NiTfm
Novos talentos

AGENDA NiT