Turismos Rurais e Hotéis

Leiturismo: o inédito alojamento para quem gosta de passar as férias a ler

A proposta de turismo diferente em Sobral do Campo tem mais de 10 mil livros. É quase como dormir numa biblioteca.
É o sonho.

Algarve, Espanha ou Caraíbas. Independentemente do destino da sua escapadinha, há algo que não pode faltar na mala de viagem: um livro. Escolher um daqueles calhamaços clássicos, como “Os Miseráveis”, de Vítor Hugo, é que talvez não seja boa ideia.

Se passar férias em Portugal, há um alojamento em Sobral do Campo onde não precisa de se preocupar com isso. No Leiturismo, há mais de 10 mil livros preparados para serem folheados. Podia ser um sonho, mas é bem real. 

Luís Veríssimo tem 55 anos e herdou dos pais esta casa de campo cheia de história. Antes de a transformar num alojamento local sossegado e com muito para ler, a propriedade acolheu tantas histórias e protagonistas que até “podia alimentar uma série com várias temporadas: invasões francesas, armas e granadas depositadas no fundo do poço do quintal, alçapões no soalho para esconder soldados e cereais, um ministro da monarquia, um advogado que era engenheiro e morreu novo, um padre que fugiu da capital e levou duas amantes, quatro irmãs solteiras e um irmão que morreu subitamente após a última badalada de 1900 à saída da primeira missa do século XX”. 

A casa remonta ao século XVIII e, até 1962, manteve uma capacidade agrícola que a posicionava entre as mais produtivas da região. Num só dia, conseguiam produzir em média 30 queijos — e vinho também. Durante a sua longa história, a casa recebeu o exército francês comandado por Junot na primeira invasão francesa, em 1807. O material bélico que os soldados deixaram por lá continua a descansar no fundo de um poço no quintal, como conta à NiT Luís Veríssimo. 

Entretanto, a casa passou para as mãos da família do atual proprietário. “É uma casa com muito interesse histórico, era uma casa de família e tinha muito amor por ela, por isso quis fazer alguma coisa com o espaço”, revela. Podia ser um agroturismo, um turismo rural ou o glamping, mas Luís decidiu criar um novo conceito de turismo: o leiturismo. “O meu pai era apaixonado por livros. Nasci em Lisboa e o meu quarto estava todo forrado com livros, dormia com eles. Portanto agarrei na biblioteca do meu pai e levei-a para Sobral do Campo”, explica o responsável, que trabalha na área da comunicação estratégica.

As mais de 10 mil obras estão à disposição dos hóspedes e, se estiver indeciso sobre o que pretende ler nas férias o proprietário pode sempre dar-lhe uma ajuda. “Quando me enviam o e-mail com a reserva procuro sempre saber se querem que faça uma seleção ou se há algum tema que preferem”. 

A oferta é variada e abrange todos os gostos, sendo que a maioria das obras são de autores portugueses, como José Cardoso Pires, Manuel António Pino e, como não podia deixar de ser, José Saramago. O que não faltam por lá são clássicos, não só em português, mas também em espanhol e inglês. Caso comece a ler um daqueles livros com muitas páginas, como o “Ulisses”, de James Joyce, e não consiga terminar durante as férias, há possibilidade de o levar para casa, desde que o volte a entregar. 

Aberta desde 2015, a casa de campo do Leiturismo dispõe de salas de estar e refeições, cozinha e quatro estúdios — três como cama de casal e outro com um beliche — e pode acomodar até nove hóspedes. A grande particularidade do quarto dos miúdos é que é forrado com livros infantis. Como há livros que nos deixam realmente numa imersão profunda, Luís decidiu acrescentar à casa uma banheira de hidroterapia ao ar livre. É “um bálsamo” servido entre os 30 e os 45 graus que “ajuda a melhorar a circulação sanguínea e produz uma sensação de relaxe”. Só tem é de ter cuidado para não deixar cair nenhum livro lá dentro. Se preferir, também pode relaxar na piscina exterior.

Outro destaque da casa é o bar Bem-Haja, onde os hóspedes podem preparar as bebidas que quiserem e sentirem-se como os seus escritores favoritos, como Mark Twain, que bebia whisky todos os dias antes de dormir, ou F. Scott Fitzgerald, que bebia gin para disfarçar o mau hálito. As reservas asseguram o acesso exclusivo a toda a casa e os preços para umas férias rodeado de livros começam nos 250€.

Carregue na galeria para conhecer esta nova proposta de turismo, criada especialmente para todos os fãs de livros.

ver galeria

FICHA TÉCNICA

  • MORADA
    Rua da Ladeira, nº 5
    6000-730  Castelo Branco
ESTILO
alojamento local
PREÇO MÉDIO
Mais de 200€
AMBIENTE
rural

ÚLTIMOS ARTIGOS DA NiT

AGENDA NiT